Escolha as suas informações

“O crescimento da extrema-direita na Europa é um problema e vai continuar a piorar"
Mundo 3 min. 12.06.2019

“O crescimento da extrema-direita na Europa é um problema e vai continuar a piorar"

“O crescimento da extrema-direita na Europa é um problema e vai continuar a piorar"

DR
Mundo 3 min. 12.06.2019

“O crescimento da extrema-direita na Europa é um problema e vai continuar a piorar"

Norman Ohler, autor do livro “Delírio Total – Hitler e as Drogas no Terceiro Reich”, acredita que "o fascismo está a voltar" e que mais grupos de extrema-direita irão tentar entrar para os governos europeus.

O jornalista e escritor alemão Norman Ohler disse esta quarta-feira, em Lisboa, que o crescimento da extrema-direita na Europa é um problema real que se vai agravar nas próximas décadas, com a possibilidade de um retorno do fascismo.

“O crescimento da extrema-direita na Europa é um problema e este problema vai continuar a piorar, porque estes movimentos da extrema-direita estão contra os refugiados e nós temos cada vez mais refugiados a chegar, nomeadamente por causa das alterações climáticas”, declarou à Lusa o também escritor alemão, autor do livro “Delírio Total – Hitler e as Drogas no Terceiro Reich”.


Europeias. João Ferreira lamenta que UE "conviva bem com a extrema-direita"
O candidato comunista defende que é necessária uma Europa muito diferente, mas que é possível ainda assim na UE mudar muitas das políticas para defender o povo e Portugal.

“Penso que nas próximas décadas vai haver milhões de pessoas que irão deixar a África devido às mudanças climáticas, porque não conseguem mais sustentar-se” nos seus países, avaliou o jornalista. O autor comentou o avanço da extrema-direita em vários países europeus nas recentes eleições europeias, que ocorreram entre 23 e 26 de maio, nomeadamente em França, Itália, Hungria e Polónia.

Ohler reconheceu que é um “pessimista” em relação ao crescimento da extrema-direita na Europa. “Teremos mais e mais grupos de extrema-direita a tentar entrar para os governos [europeus]. Eu penso que o fascismo está a voltar”, afirmou.

Teremos mais e mais grupos de extrema-direita a tentar entrar para os governos [europeus]. Eu penso que o fascismo está a voltar.

Embora admita que não vê um crescimento da extrema-direita na Alemanha, como ocorre no resto da Europa, Ohler não descartou a possibilidade de que isso possa vir a acontecer num futuro não muito longínquo.


Lokales - Oktav, Messe fur die schulen von Sainte-Sophie, Jean-Claude Hollerich,  Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Salvini critica arcebispo do Luxemburgo por defender apoio aos refugiados
Com as eleições europeias à porta, a extrema-direita apela à anti-imigração e a Igreja Católica ao espírito humanitário e cristão dos europeus.

Para Ohler, até mesmo o Reino Unido tem-se movimentado para a direita, sendo este crescimento da extrema-direita um problema transversal à Europa. Apesar de achar que a extrema-direita não tem ainda uma grande expressão no Reino Unido, Norman Ohler considerou que “o ‘Brexit’ é também uma reação da crise dos refugiados”.

“Este é um desafio para a comunidade europeia, porque nós criámos também estes problemas [nomeadamente dos refugiados] que levam as pessoas a migrarem, então, temos de assumir a responsabilidade e criar programas de trabalho e de integração destas pessoas, não colocá-las em campos. É muito triste o que está a acontecer na Europa”, sublinhou.

Nós criámos também estes problemas [nomeadamente dos refugiados] que levam as pessoas a migrarem, então, temos de assumir a responsabilidade.  

Norman Ohler está em Portugal para promover o seu livro “Delírio Total – Hitler e as Drogas no Terceiro Reich”, publicado em 2018 no país pela Vogais, uma chancela da Editora 20/20.


Europeias. Juncker pede unidade contra extremismo
O presidente da Comissão Europeia admitiu que as rígidas políticas de austeridade impostas na Grécia foram “um erro histórico”, apontando como exemplo de mudança no seu mandato a flexibilidade, que permitiram a países como Portugal lançar medidas expansivas.

Este livro não ficcional, traduzido para mais de 25 línguas, é o resultado de uma investigação vasta e meticulosa que expõe uma perspetiva surpreendente da II Guerra Mundial, que é a elevada dependência de drogas na Alemanha nazi.

O ideal nacional-socialista de pureza de corpo e raça escondia o abuso de drogas, entre as quais a metanfetamina, nomeadamente entre os soldados exército alemão, assim como na hierarquia governativa, chegando mesmo a Adolf Hitler, conclui Ohler no seu livro.

O autor, também argumentista, passou cinco anos a investigar para “Delírio Total” em numerosos arquivos na Alemanha e nos Estados Unidos, falou com testemunhas, historiadores militares e médicos. Publicou também três romances, um dos quais o primeiro romance hipertexto do mundo, e coescreveu o argumento do filme “Palermo Shooting”, do realizador alemão Wim Wenders.

Lusa