Escolha as suas informações

O cone principal do vulcão La Palma sofre um colapso parcial
Mundo 25.09.2021
Acidente natural

O cone principal do vulcão La Palma sofre um colapso parcial

Acidente natural

O cone principal do vulcão La Palma sofre um colapso parcial

Foto: AFP
Mundo 25.09.2021
Acidente natural

O cone principal do vulcão La Palma sofre um colapso parcial

Redação
Redação
O cone principal do vulcão La Palma sofreu uma ruptura parcial esta manhã de sábado.

O Instituto Geológico e Mineiro revelou que aconteceu um colapso parcial do cone do vulcão este sábado. O comité de crise assegura que é um fenómeno normal e que não vai aumentar o perigo. 

O cone principal do vulcão La Palma sofreu uma ruptura parcial esta manhã de sábado, segundo Carlos Lorenzo, geólogo do Instituto Espanhol de Geologia e Minas (IGME). O geólogo garantiu, depois de observar o estado do vulcão por drones que este fenómeno deixou "um enorme fluxo de blocos muito grandes deslocados pela encosta do cone em direcção ao mar". 


O que sucede quando a lava do vulcão entra no mar? Um cenário apocalítico
O rio de lava do Cumbre Vieja em erupção em La Palma está a dirigir-se para o oceano deixando um rastro de destruição. Mas os especialistas alertam que o pior está para vir: o contacto da magma com a água salgada vai originar explosões, desabamentos e nuvens tóxicas.

O director técnico do comité de crise, Miguel Ángel Morcuende, minimizou a importância do fenómeno. "O cone não suporta o seu próprio peso e também devido às deflagrações de ontem está a tentar suportar-se a si próprio", revelou Todo o material resultante deste colapso parcial está a deslizar pelo fluxo de lava original, explicou Morcuende.

Além disso, o director técnico salientou a existência de um novo centro emissor na mesma fissura, acima de Montaña Rajada, que tinha começado a emitir materiais para o oeste do cone principal. Os cientistas após a erupção acreditam que poderia ser uma das primeiras aberturas de ventilação que se abriram nas primeiras horas da crise que voltou a emitir após um período de paragem. "Não há motivo para preocupação", afirmou Morcuende. 

O chefe técnico do gabinete de crise quis assegurar ao povo de La Palma que todas estas mudanças são normais num evento vulcânico. "Isto significa que os diferentes centros de emissão que se seguem uns aos outros ao longo de uma fissura podem sair ou podem aparecer novos centros", explicou. "Esta é uma típica erupção das Ilhas Canárias".  Isto não exclui o facto de ser perigoso e de estarmos a trabalhar com os serviços de emergência e com o governo autónomo", acrescentou.   

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.