Escolha as suas informações

Notre-Dame. Doações de grandes empresas e fortunas ultrapassam os 600 milhões de euros

Notre-Dame. Doações de grandes empresas e fortunas ultrapassam os 600 milhões de euros

foto: AFP
Mundo 16.04.2019

Notre-Dame. Doações de grandes empresas e fortunas ultrapassam os 600 milhões de euros

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu reconstruir Notre-Dame.

As doações de empresas e das grandes fortunas francesas para financiar a reconstrução da catedral de Notre-Dame, em Paris, atingida na segunda-feira por um grave incêndio, superavam hoje à tarde os 600 milhões de euros.

A família herdeira do grupo L'Oréal, Bettencourt-Meyers, e a multinacional francesa de cosmética anunciaram uma doação de 200 milhões de euros, montante que se junta aos 200 milhões de euros anunciados pela família Arnault e pelo grupo do segmento de luxo LVMH, que detém marcas como a Louis Vuitton, a Dior, a Bvlgari e a Marc Jacobs.

O grupo petrolífero Total e a família Pinault, dona do grupo de luxo Kering, o segundo grupo mundial no setor do luxo e que detém marcas como a Gucci, a Yves Saint Laurent e a Boucheron, também anunciaram uma doação de 100 milhões de euros, respetivamente.

O incêndio que deflagrou na segunda-feira à tarde na emblemática catedral de Notre-Dame, em Paris, demorou cerca de 15 horas até ser extinto e destruiu parcialmente um dos edifícios icónicos da capital francesa.

A tragédia de Notre-Dame causou grande comoção em França e a nível internacional e gerou mensagens de pesar e de solidariedade de chefes de Estado e de Governo de vários países, incluindo Portugal.

O Presidente francês, Emmanuel Macron prometeu, na segunda-feira à noite, que a catedral do século XII, um dos monumentos históricos mais visitados da Europa, será reconstruída.


Notícias relacionadas

A corrida dos mais ricos para pagar a reconstrução da Notre-Dame
Será a "crème de la crème" das marcas de luxo francesas, como a Louis Vuitton, Gucci, Guerlain, ou Moët & Chandon, entre outros, que irão financiar a reconstrução da mais famosa catedral de França. As três famílias mais ricas de França, entraram numa competição cerrada e, só elas, doaram 500 milhões dos já mais de 700 milhões reunidos para salvar a "Dama de Paris". Em apenas 24 horas.