Escolha as suas informações

Nicolas Sarkozy arrisca 4 anos de prisão
Mundo 08.12.2020

Nicolas Sarkozy arrisca 4 anos de prisão

Nicolas Sarkozy arrisca 4 anos de prisão

AFP
Mundo 08.12.2020

Nicolas Sarkozy arrisca 4 anos de prisão

O Ministério Público francês pediu 4 anos de cadeia para o antigo Presidente francês, acusado de corrupção e tráfico de influências.

O primeiro Presidente francês a sentar-se no banco dos réus, depois de Jacques Chirac ter preferido não comparecer ao julgamento do caso de desvio de dinheiro em que também lhe valeu uma condenação em 2011, arrisca a ser efetivamente condenado a uma pena de prisão, já que o Ministério Público francês requereu quatro anos de prisão, dois em pena suspensa, pelos crimes de  corrupção e tráfico de influência no chamado caso das "escutas telefónicas".

A acusação pediu a mesma pena para o antigo juiz de alta patente Gilbert Azibert, bem como para Thierry Herzog, o advogado histórico de Nicolas Sarkozy, pedindo que este último fosse objeto de uma proibição profissional de cinco anos. 

O antigo Presidente francê,, juntamente com o seu advogado Thierry Herzog e o juiz Azibert, é acusado de corrupção e tráfico de influências no  caso das escutas telefónicas, conhecido como caso Paul Bismuth. 

Em 2014, durante uma investigação sobre o alegado financiamento ilegal da sua primeira campanha presidencial com dinheiro ilegal, os juízes autorizaram escutas ao telemóvel de Nicolas Sarkozy e do advogado, registado como Bismuth nos contactos do aparelho. O que descobriram foi o que acabou por dar origem ao julgamento que arrancou há duas semanas: a tentativa de obter através do juiz Azibert, em troca de favores, informações sobre um terceiro processo judicial envolvendo o próprio Sarkozy.

O caso das escutas é mais um numa série de casos em que o antigo Presidente francês está na mira da justiça. Em março, deverá ter lugar o julgamento do chamado caso Bygmalion sobre as despesas da campanha eleitoral de 2012. Sarkozy é acusado de receber financiamento ilegal do antigo líder da líbia Muammar Kadhafi. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas