Escolha as suas informações

Nave da NASA vai colidir com asteroide esta noite. Veja aqui em direto
Mundo 2 4 min. 26.09.2022
Espaço

Nave da NASA vai colidir com asteroide esta noite. Veja aqui em direto

Imagem de ilustração da Nasa que mostra a nave da missão Dart momentos antes do impacto com o asteroide Dimorphos.
Espaço

Nave da NASA vai colidir com asteroide esta noite. Veja aqui em direto

Imagem de ilustração da Nasa que mostra a nave da missão Dart momentos antes do impacto com o asteroide Dimorphos.
Foto: AFP
Mundo 2 4 min. 26.09.2022
Espaço

Nave da NASA vai colidir com asteroide esta noite. Veja aqui em direto

Redação
Redação
Uma nave não tripulada vai chocar com um asteroide a 24 mil km/hora para desviar a sua trajetória, às 01h14 de terça-feira. Saiba como vai ser esta missão inédita de defesa da Terra.

Há 66 milhões de anos um asteroide terá colidido com o planeta provocando o desaparecimento dos dinossauros. A probabilidade de outra rocha espacial gigante chocar com a Terra pode ser real, como admitem os cientistas.

Em janeiro deste ano, a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) e a Agência Espacial Europeia (ESA) viveram várias semanas de "desespero", ao prever que a 4 de julho de 2023 um asteroide de cerca de 70 metros iria colidir com o nosso planeta, sem hipótese de defesa, como acabaram por confessar em março. Felizmente, esta possibilidade de colisão foi descartada depois de seguirem a trajetória do asteroide e descobrirem que ele irá passar a 10 milhões de quilómetros de distância nesse dia, portanto numa rota segura.

Veja aqui em direto às 01h14 (no Luxemburgo):

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Desde há vários anos que as agências espaciais estudam como salvar o planeta de uma colisão com os rochedos gigantes que viajam pelo universo. Também o cinema se sente fascinada por estas missões de salvamento, com filmes de sucesso como "Armageddon" ou, mais recentemente, "Don't Look Up: Cosmic Denial".

Esta segunda-feira, dia 27 setembro, poderá representar um dia histórico e sem precedentes. Uma nave não tripulada da NASA vai colidir com o asteroide Dimorphos com o objetivo de desviar a sua rota. Se a missão for um êxito, a Terra poderá ter encontrado uma forma de salvar a humanidade perante uma ameaça real.

A viagem final desta nave da missão batizada de Dart (sigla inglesa para Duplo Teste de Redirecionamento de Asteroides) e o momento do embate poderão ser seguidos ao vivo no site da NASA, que prevê um impacto de grande dimensão. 

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Embate a 20 mil km/hora

Desta vez, e embora pareça o filme de ficção científica, a missão será bem real: uma nave do tamanho de um automóvel que viaja a 24 mil quilómetros/hora irá colidir com um asteroide de 160 metros de diâmetro, numa missão "suicida" para desviar a sua trajetória. Na realidade, o Dimorphos, que é uma lua do asteroide maior Didymos não está em rota de colisão com a Terra, mas foi o alvo escolhido para o primeiro teste de defesa planetária espacial.

A missão Dart foi iniciada há 10 meses, quando esta nave da Nasa descolou a bordo do foguetão Falcon 9 da Space X, na Califórnia, EUA, em direção ao espaço. A nave está programada para se despenhar contra o rochedo Dimorphos, pelas 23h14 GMT (01h14 no Luxemburgo), esta segunda-feira desviando deste modo a sua rota.

Desta vez, a NASA vai finalmente tentar algo que nunca foi feito antes: desviar a trajectória de um asteroide disparando contra ele uma nave 'kamikaze'. O teste de "defesa planetária" deverá ajudar a proteger a humanidade de uma possível ameaça futura.

Esta é a primeira missão de defesa do planeta realizada pela Nasa.
Esta é a primeira missão de defesa do planeta realizada pela Nasa.
AFP

Os cientistas da NASA estimam que o impacto do embate irá desviar apenas 1% da rota do asteroide, mas o suficiente para alterar o seu rumo.

"É importante fazer este teste antes de descobrirmos que será uma necessidade real", declarou Andrea Riley, a gestora da missão da NASA, citada pela AFP.

Perigo chegará um dia

Se a missão tiver êxito, será um primeiro passo para o planeta poder criar uma verdadeira defesa, estima Nancy Chabot, responsável pela coordenação da missão da agência espacial norte-americana. "A Terra foi atingida por asteroides durante milhares de milhões de anos, e irá acontecer de novo. Como seres humanos, vamos garantir que vivemos numa civilização onde podemos evitá-lo", vincou.

A bordo da nave segue também um satélite que se separará antes do embate e que tem por missão recolher imagens da colisão e do próprio asteroide, cuja forma ainda é desconhecida. A uma velocidade de uma imagem por segundo, as fotos serão visiveis na Terra com um atraso de apenas 45 segundos.

"Começará com um pequeno ponto de luz, até encher todo o ecrã", explicou Nancy Chabot, do Laboratório de Física Aplicada (APL) da Universidade Johns Hopkins, onde se encontra o centro de controlo da missão Dart.

O evento também será observado pelos telescópios espaciais Hubble e James Webb, que deverão ser capazes de detetar uma nuvem de poeira brilhante.

O estudo do asteroide continuará e, para 2024, está previsto o lançamento da sonda Hera da ESA, que irá avaliar as consequências da colisão no rochedo espacial, que não será destruído, e calcular pela primeira vez a sua massa.

Os tamanhos dos asteroide Dimophos, satélite do asteroide  Didymos comparado com monumentos famosos no mundo.
Os tamanhos dos asteroide Dimophos, satélite do asteroide Didymos comparado com monumentos famosos no mundo.
Nasa

"Precisamos de conhecer a natureza e composição dos asteroides porque, dependendo da textura da rocha, eles representam perigos diferentes", explicou Bhavya Lal, administrador associado da NASA, no Congresso Internacional de Astronáutica, esta semana, em Paris. 

Contudo são necessários mais estudos para que, na iminência de ameaça real,  haja capacidade para desviar um corpo celeste de grandes dimensões e assim manter a Terra a salvo.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas