Escolha as suas informações

Na Alemanha: Merkel e Macron admitem em Berlim alteração dos tratados europeus
Mundo 15.05.2017

Na Alemanha: Merkel e Macron admitem em Berlim alteração dos tratados europeus

A chanceler Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron

Na Alemanha: Merkel e Macron admitem em Berlim alteração dos tratados europeus

A chanceler Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron
Mundo 15.05.2017

Na Alemanha: Merkel e Macron admitem em Berlim alteração dos tratados europeus

A chanceler Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron admitiram hoje em Berlim uma possível alteração dos tratados europeus, na primeira visita ao exterior do novo chefe de Estado gaulês, um dia após a sua tomada de posse.

A chanceler Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron admitiram hoje em Berlim uma possível alteração dos tratados europeus, na primeira visita ao exterior do novo chefe de Estado gaulês, um dia após a sua tomada de posse.

"Do ponto de vista alemão, é possível alterar os tratados se isso fizer sentido", declarou Merkel, enquanto o chefe de Estado francês sublinhava, ao seu lado, que não mantém "qualquer tabu" em relação a essa ideia, também destinada a reformar o funcionamento da zona euro.

Num encontro onde sobressaiu a consonância de posições, Merkel considerou que uma Europa em progresso depende de uma "França forte", enquanto Macron apelava a uma "refundação histórica" do projeto europeu e prometia "reformas económicas" para reduzir o desemprego.

Merkel aludiu a um "roteiro" que poderá introduzir reformas na União Europeia (UE) e na zona euro, e Macron sublinhou a necessidade de promover "profundas reformas que são necessárias e necessitam de um trabalho em comum".

No decurso de uma conferência de imprensa conjunta, os dois estadistas pugnaram ainda por um "novo dinamismo" na relação franco-alemã, com Macron a assinalar que se opõe a uma mutualização das dívidas "do passado" na zona euro.

O Presidente francês insistiu na "refundação histórica" da Europa face à emergência dos populismos e ao risco de desintegração.

A reação a estes fenómenos apenas pode ser efetuado "com uma refundação histórica" da Europa, designadamente através de reformas em França mas ainda um "trabalho de convicção" de Angela Merkel face à sua população, observou ainda Macron.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Macron apela aos franceses para "normalizarem" o país
O Presidente francês, Emmanuel Macron, declarou sexta em Bruxelas que a França “precisa de calma, de ordem e de retomar um funcionamento normal”, na véspera de uma nova jornada de protesto dos “coletes amarelos”.
Alemanha: Obama visita "amiga" Merkel
O presidente dos EUA, Barack Obama, inicia hoje uma visita de dois dias à Alemanha em que manterá encontros com a sua "amiga" Angela Merkel, a líder do governo germânico, que elogiou há poucos dias.
Obama faz uma visita de dois dias à Alemanha