Escolha as suas informações

Moscovo: Rússia ordena fecho de escola americana após sanções dos EUA
Mundo 2 min. 30.12.2016 Do nosso arquivo online

Moscovo: Rússia ordena fecho de escola americana após sanções dos EUA

Moscovo: Rússia ordena fecho de escola americana após sanções dos EUA

Foto: Shutterstock
Mundo 2 min. 30.12.2016 Do nosso arquivo online

Moscovo: Rússia ordena fecho de escola americana após sanções dos EUA

O Governo russo ordenou na quinta-feira o encerramento de uma escola anglo-americana em Moscovo em resposta às sanções anunciadas pelos Estados Unidos, segundo um alto responsável norte-americano citado pela CNN.

O Governo russo ordenou na quinta-feira o encerramento de uma escola anglo-americana em Moscovo em resposta às sanções anunciadas pelos Estados Unidos, segundo um alto responsável norte-americano citado pela CNN.

Além do fecho da escola, o Governo russo ordenou o encerramento do acesso que conduz à casa de férias da embaixada dos Estados Unidos na Rússia, no parque de Serebryanyy Bor, perto de Moscovo, informou o mesmo canal de televisão norte-americano.

Questionado pela agência de notícias Efe, um porta-voz do Departamento de Estado garantiu “ter visto informações na imprensa”, mas “não ter mais nada a acrescentar” sobre o assunto.

Na página na Internet da escola anglo-americana de Moscovo não existe qualquer declaração sobre uma eventual ordem do Executivo russo para encerrar portas.

Entre os alunos da escola estão os filhos de diplomatas norte-americanos, britânicos e canadianos, que têm prioridade na admissão.

A instituição de ensino tem sede no noroeste de Moscovo, mas tem outro ‘campus’ na cidade de São Petersburgo, de acordo com o seu portal eletrónico.

Em declarações à imprensa, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, se reserva no direito de responder às decisões norte-americanas com medidas que respeitarão o princípio de “reciprocidade”.

O mesmo responsável indicou que o Presidente russo não vai apressar a adoção de medidas de resposta, mas fez saber que estas causarão “graves inconvenientes” aos Estados Unidos.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou na quinta-feira sanções contra a Rússia após a sua ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas.

Entre as medidas anunciadas, há sanções contra as agências de serviços de informações russas FSB e GRU; a classificação de 35 agentes russos como ‘persona non grata’, que têm agora 72 horas para abandonar o país; e o encerramento de dois edifícios em Nova Iorque e Maryland que os Estados Unidos dizem serem utilizadas para “objetivos relacionados com os serviços secretos”.

Obama fez tudo menos acusar diretamente o Presidente russo, Vladimir Putin, de ter pessoalmente ordenado o ataque informático que muitos democratas pensam ter destruído as hipóteses de Hillary Clinton de vencer as renhidas presidenciais de 08 de novembro que disputou com o republicano Donald Trump.

Os serviços secretos norte-americanos concluíram que o acesso a e-mails do Partido Democrata e da campanha de Hillary e a respetiva divulgação foram levados a cabo para pôr Trump – um ‘outsider’ da política que elogiou Putin – na Sala Oval.

Estas sanções são as mais duras adotadas por Obama durante os seus oito anos de Governo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Trump diz que os russos interferiram nas eleições. Ou, então, foram outros
"Um lapso" foi como o presidente norte-americano, acusado de traição e criticado até pelos responsáveis do Partido Republicano, classificou as suas próprias palavras na cimeira de Helsínquia com Putin. Ontem, os russos não tinham interferido nas presidenciais dos Estados Unidos em 2016; hoje, afinal, as interferências existiram. Mas também podem "ter sido outros".
Casa Branca: Trump promulga sanções contra Rússia
O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou hoje, apesar das suas reservas, as novas sanções económicas contra a Rússia, aprovadas pelo Congresso para punir Moscovo pela ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas, anunciou a Casa Branca.
US President Donald Trump and Russia's President Vladimir Putin shake hands during a meeting on the sidelines of the G20 Summit in Hamburg, Germany, on July 7, 2017.