Escolha as suas informações

Moscovo acusa Alemanha de "acusações infundadas e ultimatos"
Mundo 09.09.2020

Moscovo acusa Alemanha de "acusações infundadas e ultimatos"

Moscovo acusa Alemanha de "acusações infundadas e ultimatos"

Foto: AFP
Mundo 09.09.2020

Moscovo acusa Alemanha de "acusações infundadas e ultimatos"

Lusa
Lusa
A Rússia insiste que nenhum vestígio de veneno foi detetado pelos médicos russos no corpo de Navalny.

A Rússia protestou esta quarta-feira junto do embaixador alemão em Moscovo pelas “acusações infundadas e ultimatos” do seu país sobre o envenenamento do opositor do regime de Moscovo Alexei Navalny.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo também acusou o Governo alemão de usar o caso Navalny para “desacreditar a Rússia no cenário internacional”, avisando que se o embaixador se recusar a transmitir a Berlim este recado, o seu gesto será considerado uma “provocação grosseira e hostil”.


Alexei Navalny sai do coma após envenenamento
O opositor russo, vítima de um envenenamento na Rússia, saiu do coma induzido e vai "por etapas" deixar de recorrer ao ventilador, anunciou hoje o hospital La Charité, em Berlim, onde está internado.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido disseram na terça-feira, num comunicado conjunto, que estão "unidos na condenação, nos mais fortes termos, do envenenamento confirmado de Alexey Navalny".

Alexei Navalny, de 44 anos, atualmente em tratamento na Alemanha após ter sido inicialmente hospitalizado na Rússia, foi vítima de um ataque com um agente nervoso do tipo Novichok, de acordo com o Governo alemão.

Por sua vez, a Rússia insiste que nenhum vestígio de veneno foi detetado pelos médicos russos no corpo de Navalny e exige ter todas as informações, que a Alemanha ainda não forneceu, de acordo com Moscovo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Alexei Navalny sai do coma após envenenamento
O opositor russo, vítima de um envenenamento na Rússia, saiu do coma induzido e vai "por etapas" deixar de recorrer ao ventilador, anunciou hoje o hospital La Charité, em Berlim, onde está internado.