Escolha as suas informações

Ministro francês do Interior diz que Espanha e Itália “controlam mal” a imigração
Mundo 22.05.2021

Ministro francês do Interior diz que Espanha e Itália “controlam mal” a imigração

Ministro francês do Interior diz que Espanha e Itália “controlam mal” a imigração

Foto: Guardia Civil/dpa
Mundo 22.05.2021

Ministro francês do Interior diz que Espanha e Itália “controlam mal” a imigração

Lusa
Lusa
A Europa “não é capaz” de manter essas fronteiras externas com o controle necessário, pelo que uma das suas prioridades durante a presidência francesa da União Europeia (UE), no primeiro semestre de 2022, será fazer “um registo sistemático dos imigrantes e uniformizar dos pedidos de asilo”.

O ministro do Interior francês considera que Espanha e Itália enfrentam “uma imigração significativa que controlam mal”, pelo que, quando Paris assumir a presidência da União Europeia (UE), uma prioridade será "um verdadeiro controlo nas fronteiras externas".

Questionado - numa entrevista publicada hoje pelo ‘Le Parisien’ e citada pela agência espanhola EFE - sobre os migrantes que tentam chegar a Ceuta, Espanha, e sobre o bebé resgatado por um guarda civil, Gérald Darmanin disse ser uma situação comovente.

“Infelizmente – acrescentou - é um problema europeu. Os nossos amigos espanhóis ou italianos, que são os que estão mais próximos da costa sul do Mediterrâneo, enfrentam uma imigração significativa que controlam mal”.

Em sua opinião, a Europa “não é capaz” de manter essas fronteiras externas com o controle necessário, pelo que uma das suas prioridades durante a presidência francesa da União Europeia (UE), no primeiro semestre de 2022, será fazer “um registo sistemático dos imigrantes e uniformizar dos pedidos de asilo”.


Migrações. Ministro marroquino diz que Espanha sabia o “preço de subestimar” Marrocos
Espanha e Marrocos estão a passar por uma crise diplomática sem precedentes depois de o governo de Madrid ter concordado em receber o líder da Frente Polisário por motivos humanitários e mantê-lo hospitalizado num centro de saúde na região de La Rioja.

Na quarta-feira, numa primeira reação oficial à chegada massiva de migrantes a Ceuta, França afirmou-se convicta de que Espanha conseguirá restaurar rapidamente a normalidade e insistiu que Marrocos deve continuar a cooperar com a UE contra a imigração irregular, recordando que, ao longo dos últimos anos, a União lhe tem atribuído fundos significativos.

No outono passado, após a onda de ataques jihadistas que sofreu no seu território, França restabeleceu os controlos nas fronteiras internas para tentar impedir a entrada a partir de outros países da UE de imigrantes irregulares e duplicou o número de agentes dedicados a essa missão.

Na sequência deste reforço do controlo, o Governo francês indicou que, desde o início deste ano, as expulsões de imigrantes que entraram a partir de Espanha duplicaram face ao mesmo período de 2020.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O ministro do Interior italiano e líder do partido de extrema-direita a Liga, atacou o presidente francês, Emmanuel Macron, acusando-o de hipocrisia na questão da imigração: pedir à Itália o que a França não faz.
Os cidadãos europeus compõem a maioria da imigração no Luxemburgo, país que, sem surpresas, regista a taxa mais elevada de imigração na UE. Em 2015 havia 42 imigrantes por 1.000 habitantes no Luxemburgo.
O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, defendeu, esta terça-feira, que a União Europeia (UE) deve limitar o número de entrada de migrantes e que o controlo das fronteiras externas é essencial para o futuro do bloco europeu.
Manuel Valls, o primeiro ministro francoês
Jean Asselborn, ministro dos Negócios Estrangeiros e da Imigração do Luxemburgo, país que assume actualmente a presidência rotativa da União Europeia (UE), convocou um Conselho de Justiça e Assuntos Internos extraordinário da UE para 14 de Setembro. A reunião terá como objectivo discutir e encontrar soluções para o agravamento da crise migratória às portas da Europa.
Três décadas passadas sobre a assinatura do Acordo de Schengen, que começou a abolir as fronteiras na União Europeia, o “principal desafio” é “que ele se aguente”, resume o investigador em migrações Rui Pena Pires.
Itw Robert Goebbels, Schengen, Foto Lex Kleren