Escolha as suas informações

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos
Mundo 5 20.05.2022
Guerra na Ucrânia

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos

Guerra na Ucrânia

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos

Foto: Dmytro Kozatskyi
Mundo 5 20.05.2022
Guerra na Ucrânia

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos

Redação
Redação
"Bom, é tudo. Obrigado a partir dos abrigos de Azovstal - o lugar da minha morte e da minha vida", escreveu Dmytro Kozatskyi, 'Orest', que prometeu partilhar, enquanto estiver "em cativeiro", fotografias de melhor qualidade. Veja a fotogaleria.

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

"Bom, é tudo. Obrigado a partir dos abrigos de Azovstal - o lugar da minha morte e da minha vida", escreveu Dmytro Kozatskyi, 'Orest', que prometeu partilhar, enquanto estiver "em cativeiro", fotografias de melhor qualidade, que incentivou a serem enviadas para prémios jornalísticos e concursos de fotografia.

Na mensagem, o combatente partilhou também uma hiperligação para a transferência de fotografias, algumas delas já conhecidas, como as de um hospital de campanha num dos abrigos da fábrica e um militar sob um raio de luz.

As imagens refletem também as atividades diárias dos militares na siderurgia, tais como fazer uma fogueira, fazer palavras cruzadas e cortar a barba.

O comandante do regimento Denys Prokopenko anunciou hoje que os últimos soldados ucranianos entrincheirados na fábrica siderúrgica receberam ordens de Kiev para "deixar de defender a cidade".

"O alto comando militar deu a ordem para salvar a vida dos soldados da nossa guarnição, parando de defender a cidade", disse o comandante do regimento Azov, uma das unidades ucranianas presentes na siderúrgica, numa mensagem de vídeo publicada no serviço de mensagens Telegram e relatada pela agência Ukrinform.

O complexo metalúrgico, com o seu labirinto de galerias subterrâneas escavadas nos tempos soviéticos, foi a última bolsa de resistência ucraniana nesta cidade portuária no Mar de Azov, fortemente bombardeada pelos russos.

Após a recente retirada de civis, incluindo mulheres e crianças de Azovstal, 1.908 soldados ucranianos entrincheirados nas entranhas da siderúrgica, incluindo os feridos, têm-se rendido, desde segunda-feira, às forças russas, informaram as autoridades de Moscovo.

"Conseguimos salvar os civis, os feridos graves receberam a ajuda necessária, conseguimos retirá-los para uma troca posterior", explicou Prokopenko, acrescentando que espera que em breve seja também possível enterrar dignamente os soldados mortos em combate.

*com agência Lusa.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas