Escolha as suas informações

Milhares em Londres contra o assassinato de George Floyd pela polícia
Mundo 2 min. 03.06.2020

Milhares em Londres contra o assassinato de George Floyd pela polícia

Milhares em Londres contra o assassinato de George Floyd pela polícia

Foto: AFP
Mundo 2 min. 03.06.2020

Milhares em Londres contra o assassinato de George Floyd pela polícia

Os protestos sucedem-se em várias partes do mundo.

O assassinato de George Floyd está a provocar manifestações também fora dos Estados Unidos. Embora longe dos motins e dos protestos em massa que decorrem naquele país, diferentes cidades noutras partes do mundo, de Amesterdão a Toronto, passando por Sydney, Paris ou Berlim, têm sido palco de protestos nos últimos dias, que em alguns casos estão ligadas a casos locais de discriminação ou de mortes envolvendo a polícia.

Milhares de pessoas protestaram esta tarde em Londres contra o assassinato de George Floyd às mãos da polícia norte-americana há nove dias. O protesto surge quando até as chefias policiais britânicas dizem estar ao lado de todos aqueles que estão "horrorizados" com a morte do afro-americano.

Numa declaração conjunta, afirmaram que o direito ao protesto legal é uma "parte fundamental de qualquer democracia" mas sublinharam que as restrições aos ajuntamentos com mais de seis pessoas se mantém devido ao novo coronavírus.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou na quarta-feira que a morte de Floyd tinha sido "terrível" e "indesculpável", mas foi criticado por não ter comentado o assassinato até então. Em resposta, o líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) em Westminster, Ian Blackford, afirmou que o Governo britânico "se fechou na esperança de que ninguém reparasse". Entretanto, o líder trabalhista, Keir Starmer, apelou ao primeiro-ministro para transmitir ao presidente norte-americano, Donald Trump, a "repulsa do Reino Unido pela sua resposta aos acontecimentos".

Pelo menos 29 pessoas que se manifestavam esta quarta-feira em Istambul, na Turquia, contra a violência policial e em apoio aos protestos nos Estados Unidos sobre o caso George Floyd, foram detidas, informou hoje a agência estatal da Turquia.

Segundo a agência Anadolu, a polícia interrompeu uma manifestação que decorria no distrito de Kadikoy, em Istambul, na terça-feira, depois de o grupo de cerca de 50 ativistas ter ignorado os pedidos de dispersão.

Alguns dos manifestantes contra a violência policial foram vistos a empunhar um cartaz de George Floyd, um afro-americano que morreu quando um polícia branco de Minneapolis (nos Estados Unidos) pressionou o joelho contra o seu pescoço enquanto Floyd estava algemado no chão e gritava que não conseguia respirar.

As autoridades turcas proíbem frequentemente manifestações ou reuniões públicas por motivos de segurança e os grupos de direitos humanos acusam muitas vezes a polícia de usar força desproporcional para interromper protestos na rua.

Na segunda-feira, outro protesto teve lugar em Amesterdão. Cerca de 10 mil pessoas reuniram-se na Praça Dam no centro da cidade e gritaram "I can’t breathe", as últimas palavras de George Floyd. "Vidas negras importam", o nome do movimento norte-americano que ganhou destaque depois da morte de dois afro-americanos em Ferguson, em 2014, e "sem justiça, não há paz" foram outras palavras de ordem entoadas pelos manifestantes.

Com Lusa


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

George Floyd. Dois mortos nos protestos em Chicago
Duas pessoas morreram durante os distúrbios em Cicero, Chicago, enquanto os protestos pela morte do afro-americano George Floyd às mãos da polícia continuam em várias cidades dos Estados Unidos, bem como as pilhagens.