Escolha as suas informações

Merkel declarou que a Rússia e a extrema-direita americana são inimigos da Europa
Mundo 2 min. 16.02.2019

Merkel declarou que a Rússia e a extrema-direita americana são inimigos da Europa

Merkel declarou que a Rússia e a extrema-direita americana são inimigos da Europa

Foto: AFP
Mundo 2 min. 16.02.2019

Merkel declarou que a Rússia e a extrema-direita americana são inimigos da Europa

A chanceler alemã afirmou que a Europa tem inimigos dos dois lados do Atlântico, não esclarecendo qual a posição que reserva a Donald Trump em relação à extrema-direita e à Europa. As declarações foram feitas durante a Conferência de Segurança de Munique onde se encontrou com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence.

A chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu hoje que a "Europa tem inimigos", sublinhando a Rússia e a extrema direita norte-americana, e apelou à defesa do multilateralismo, atualmente sob pressão.

Merkel fez estas declarações quando interveio na Conferência de Segurança de Munique (MSC), um fórum de política externa e defesa, no qual participa também o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence.

A chanceler citou em primeiro lugar a "guerra híbrida dirigida pela Rússia", principalmente contra os países europeus "economicamente mais fracos".

Também se referiu ao ex-assessor do presidente dos Estados Unidos Steve Bannon, que fundou um movimento em Bruxelas e está a tentar juntar os movimentos de extrema-direita europeus e partidos de eurocéticos para obterem um bom resultado nas eleições europeias de maio próximo.

"Devemos lutar por essa Europa, pelo multilateralismo e contra todos os que lutam contra a Europa", manifestou.

Merkel defendeu ainda a importância de manter o acordo nuclear com o Irão e considerou que as diferenças entre a Europa e os Estados Unidos neste ponto são só "táticas" porque face ao "objetivo" final estão de acordo.

Para Merkel, a pergunta na altura de avaliar a conveniência de acabar ou permanecer no acordo com o Irão é que opção é melhor para conter as aspirações nucleares de Teerão, argumentou.

Merkel considera que é melhor manter o acordo, apesar de rejeitar muitas outras ações do Irão, desde o programa de mísseis balísticos à interferência no Iémen ou à intervenção na guerra da Síria.

A chanceler quis sublinhar as diferenças em relação aos Estados Unidos em relação ao acordo nuclear com o Irão com a Casa Branca de Donald Trump, que decidiu abandonar o acordo que foi trabalhado durante o mandato do predecessor, Barack Obama.

"É uma luta tática" porque em relação aos objetivos a longo prazo a Europa e os Estados Unidos estão de acordo.

Em relação ao tratado sobre armas nucleares de médio alcance (INF, na sigla em inglês), a chanceler lamentou que a Europa não tenha voz num acordo que agora é recusado pelos Estados Unidos e pela Rússia - pelas "violações durante anos" de Moscovo - e que fundamentalmente mantinha a segurança da Europa.

Neste sentido, Merkel instou a China, apesar das suas "reticências", a juntar-se a um acordo que limite o uso de mísseis de alcance intermédio com capacidade nuclear.

Referindo-se à NATO, Merkel indicou que, mais do que uma "âncora de estabilidade" é uma "comunidade de valores".

A chanceler também abordou a polémica em torno do gasoduto Nord Stream II, que ligará diretamente a Rússia à Alemanha, e que recebeu muitas críticas por parte de outros países europeus.

Merkel argumentou que, se durante a guerra fria já se importava gás da Rússia, a situação atual não é pior em termos geopolíticos e que, no fim de contas, aquele combustível já se estava a trazer desde a Rússia, mas através da Ucrânia.

A chanceler referiu que parte desta polémica se explica pelo facto de Washington querer vender o seu gás na Europa e porque a Ucrânia quer manter as receitas como país de trânsito.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Estados Unidos abandonam acordo nuclear com Irão
O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.
US President Donald Trump signs a document reinstating sanctions against Iran after announcing the US withdrawal from the Iran Nuclear deal, in the Diplomatic Reception Room at the White House in Washington, DC, on May 8, 2018. / AFP PHOTO / Saul LOEB / ALTERNATIVE CROP