Escolha as suas informações

Marrocos. 20 anos de prisão para os 11 homens que violaram uma adolescente por dois meses
Mundo 23.09.2021
Crime

Marrocos. 20 anos de prisão para os 11 homens que violaram uma adolescente por dois meses

Crime

Marrocos. 20 anos de prisão para os 11 homens que violaram uma adolescente por dois meses

AFP
Mundo 23.09.2021
Crime

Marrocos. 20 anos de prisão para os 11 homens que violaram uma adolescente por dois meses

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Três anos depois do caso, o tribunal condena os indivíduos a 20 anos de prisão, mas o advogado da vítima quer mais e vai recorrer.

Será difícil imaginar o que Khadija Okkarou, então com 17 anos, passou em 2018, quando foi raptada e sujeita a tortura e violação por um grupo de 11 homens. 

Num caso de extrema coragem, tendo em conta um país conservador como Marrocos, onde as mulheres estão sujeitas às leis dos homens, Okkarou tornou público o abuso através de um vídeo onde conta o que passou nas mãos deste "perigoso gangue", que a manteve em cativeiro, na cidade de Oulad Ayd e que, para além das violações constantes, também a torturou com queimaduras de cigarros e tatuagens com suásticas e figuras obscenas. 

O advogado de Okkarou, Ibrahim Hachane, disse à AFP que a câmara criminal do tribunal de recurso na cidade central de Beni Mellal considerou os acusados culpado de várias acusações, incluindo violação, e rapto e confinamento à força.

Hachane disse que os arguidos foram multados em 200.000 dirhams (cerca de 19.000 euros). Mas, segundo este, estas penas não "são duras", uma vez que uma acusação de tráfico pode ser punida com 30 anos de prisão. A sua equipa irá recorrer. "A vítima ainda está a receber tratamento por tudo o que passou e que vai ficar com ela para o resto da sua vida", disse. 

Em 2018 entrou em vigor uma lei para combater o abuso, dando pela primeira vez às mulheres em Marrocos proteção legal contra "atos considerados formas de assédio, agressão, exploração sexual ou maus-tratos". A nova lei também abriu o caminho para que fosse oferecido apoio às vítimas de violência.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.