Escolha as suas informações

Mark Zuckerberg teme uma onda de violência depois das eleições nos EUA
Mundo 2 min. 30.10.2020 Do nosso arquivo online

Mark Zuckerberg teme uma onda de violência depois das eleições nos EUA

Mark Zuckerberg teme uma onda de violência depois das eleições nos EUA

Foto: AFP
Mundo 2 min. 30.10.2020 Do nosso arquivo online

Mark Zuckerberg teme uma onda de violência depois das eleições nos EUA

Redação
Redação
O criador do Facebook acha que o país está muito dividido e se não for possível conhecer o vencedor na noite eleitoral a 3 de novembro podem estalar confrontos que cortem o país em dois.

Mais de 78 milhões de eleitores dos EUA já votaram por correspondência, numa altura que o atual ocupante da Casa Branca, Donald Trump, afirma não querer reconhecer esses votos, que afirma que podem ser fraudolentos. A uma semana das eleições a grande dúvida é se na noite eleitoral poderá ser conhecido o vencedor e se o atual Presidente reconhecerá o resultado se lhe for desfavorável como prevêem as sondagens. 

Neste contexto, o diretor executivo do Facebook e fundador da empresa, Mark Zuckerberg manifestou, na quinta-feira, as suas preocupações em relação ao desencadear de uma onda de violência depois das eleições de 3 de novembro.

"Preocupa-me o risco de distúrbios civis em todo o país, já que a nossa nação está muito dividida e os resultados das eleições podem demorar dias ou semanas a serem definitivos", disse Zuckerberg durante uma conferência com analistas sobre os resultados económicos e o crescimento dos lucros da sua empresa. 


A covid-19 aumenta 61% dos lucros do Facebook
O grupo tecnológico liderado por Mark Zuckerberg faturou 57.893 milhões de dólares (49.606 milhões de euros) nos primeiros nove meses do atual exercício fiscal.

Uma preocupação irónica

Há alguma ironia com a preocupação do líder do Facebook com a divisão dos EUA. O recente documentário "O Dilema das Redes Sociais" acusa a empresa de ser uma das principais responsáveis do clima de confronto que assola o país. 

Segundo o documentário, as empresas das redes sociais  utilizam a inteligência artificial e algoritmos sofisticados para conseguirem que os utilizadores fiquem o máximo de tempo nas suas plataformas, de modo a poderem ver o máximo de publicidade. O objetivo é aumentar o lucro, mas para isso o algoritmo começa a dar notícias e posts com que se identifique o utilizador, escondendo outras que não confirmam a sua opinião. 

O resultado deste processo é que os eleitores republicanos e democratas parecem viver em dois países diferentes. Lêem na internet só coisas que confirmam a sua opinião e não são capazes de conhecer as ideias dos outros.

Um processo que não se limita às redes sociais, estudos apontam que a esmagadora maioria dos republicanos só acede, para além das redes sociais, à Fox News para se informar, e a esmagadora maiorias dos espectadores da CNN são democratas. 

Segundo um estudo, divulgado em 2017 pelo Pew Research Center, um dos mais respeitados institutos de pesquisa do EUA, a estação de televisão conservadora e pró-Trump Fox News é vista por 60% dos republicanos e apenas 23% dos democratas, enquanto a cadeia de televisão CNN, crítica de Trump, atrai 53% dos democratas e 24% dos republicanos. 

O estudo mostra ainda que os conservadores são mais propensos a acreditar em desinformação e teorias conspiratórias que circulam nas redes sociais.  O que faz que na noite eleitoral pode haver metade dos eleitores que ache que houve uma gigantesca fraude e outra que aceite as eleições. 

A acusação de dividir pessoas e polarizar conflitos, feita no documentário,  foi contestada pelo Facebook. Para a mais importante rede social o argumento do documentário é sensacionalista: “Devíamos ter conversas sobre o impacto das redes sociais nas nossas vidas. Mas ‘The Social Dilemma’ enterra a substância no sensacionalismo. Em vez de oferecer uma visão diferenciada da tecnologia, oferece uma visão distorcida de como as plataformas de médias sociais funcionam para criar um bode expiatório conveniente para o que são problemas sociais complexos e difíceis”.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas