Escolha as suas informações

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global
Mundo 3 min. 20.09.2019

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Presidência da República
Mundo 3 min. 20.09.2019

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Nas vésperas da Cimeira da ONU sobre Ação Climática, 32 chefes de Estado prometem fazer de 2019 o ano da “ambição climática”.

Marcelo Rebelo de Sousa é um dos 32 chefes de Estado e de Governo que assinam a Iniciativa Para Maior Ambição Climática, lançada pelo presidente austríaco, Alexander Van der Bellen. 

O documento tem data de Setembro e é uma forma de apoio explícito ao pedido de Guterres de os líderes mundiais se envolverem direta e decisivamente na luta contra o aquecimento global e chegarem à Cimeira sobre Ação Climática, na próxima segunda-feira, “não com discursos, mas com planos concretos”.

Entre os signatários da iniciativa encontram-se o presidente francês Emmanuel Macron - que em agosto propôs sanções contra o Brasil, se este país não cumprisse as metas ambientais para a Amazónia.

O principal desafio

Na Europa (além da Áustria e da França), assinaram a declaração também os chefes de Estado de Itália, Alemanha, Finlândia, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Eslováquia, Eslovénia, Bósnia-Herzegovina, Letónia, Chipre, Montenegro, Sérvia, Moldávia e Mónaco e os chefes de governo da Dinamarca, Países Baixos, Espanha e Suécia.

Fora da Europa, a Iniciativa para Maior Ambição Climática tem o apoio de Moçambique, Israel, Coreia, Líbano, Nepal, Palau, Gana, Gâmbia e a Suazilândia.

“As alterações climáticas são o principal desafio do nosso tempo. A nossa geração é a primeira a viver o rápido aumento das temperaturas e provavelmente a última que tem a oportunidade de efetivamente combater a iminente crise global”, conclui-se no primeiro ponto do documento. “Nós, chefes de Estado e de Governo e futuros signatários desta Declaração, estamos convencidos que medidas efetivas para combater as alterações climáticas são não apenas necessárias, mas trarão benefícios adicionais e novas oportunidades para as nossas economias e sociedades. Estamos confiantes que medidas substanciais ajudar-nos-ão a conduzir o planeta para um futuro seguro, pacífico e próspero”.

Travar aquecimento global

“Baseados no conhecimento científico e técnico, bem como nos meios financeiros que o mundo tem hoje, temos coletivamente a obrigação para com as gerações futuras de fazer tudo o que está humanamente ao nosso alcance para travar o aquecimento global bem como adaptar aos efeitos adversos, respeitando a necessidade de uma justa transição para as nossas sociedades”. No texto, avança-se que o que se está a fazer não chega e pede-se a todos os países que revejam a sua atuação de forma muito mais ousada.

No texto apresentado pela Áustria, os signatários fazem um apelo à comunidade internacional e a todos os países signatários dos Acordos de Paris (195, contando ainda com os Estados Unidos): “Trabalhemos juntos, depressa e decisivamente para parar a crise climática global” de forma a fazer de 2019 “o ano da ambição climática”.

Propostas mais radicais

Os chefes de Estado e Governo pedem explicitamente que os países que estarão presentes na Cimeira da ONU, na próxima segunda-feira, apresentem propostas mais radicais que os atuais - de 45% de redução de gases com efeito de estufa para 2030 - começando já “com vigorosas contribuições para o próximo ano”. Ou seja, os signatários pedem que as emissões comecem a descer rapidamente já em 2020, não atirando os objetivos para mais tarde.

O apelo é também endereçado à banca e ao sistema financeiro que tem continuado a financiar projetos petrolíferos e de centrais a carvão. “Pedimos que todas as instituições financeiras alinhem os seus investimentos com os objetivos dos Acordos de Paris, para intensificar e os investimentos em eficiência energética e desinvestir o mais depressa possível na economia baseada nos combustíveis fósseis”.

Criar um futuro positivo

O texto termina com um tom esperançoso: “Aproveitamos todas as oportunidades e medidas para combater o aquecimento global, criando um futuro positivo para o nosso planeta. Deixemos aos nossos filhos e futuras gerações um mundo onde valha a pena viver”.

Marcelo Rebelo de Sousa estará presente na Cimeira da Ação Climática dia 23, e no dia 24 na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em Nova Iorque, onde deverá discursar.

 Telma Miguel