Escolha as suas informações

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global
Mundo 3 min. 20.09.2019 Do nosso arquivo online

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Presidência da República
Mundo 3 min. 20.09.2019 Do nosso arquivo online

Marcelo quer ação mais decisiva para combater aquecimento global

Nas vésperas da Cimeira da ONU sobre Ação Climática, 32 chefes de Estado prometem fazer de 2019 o ano da “ambição climática”.

Marcelo Rebelo de Sousa é um dos 32 chefes de Estado e de Governo que assinam a Iniciativa Para Maior Ambição Climática, lançada pelo presidente austríaco, Alexander Van der Bellen. 

O documento tem data de Setembro e é uma forma de apoio explícito ao pedido de Guterres de os líderes mundiais se envolverem direta e decisivamente na luta contra o aquecimento global e chegarem à Cimeira sobre Ação Climática, na próxima segunda-feira, “não com discursos, mas com planos concretos”.

Entre os signatários da iniciativa encontram-se o presidente francês Emmanuel Macron - que em agosto propôs sanções contra o Brasil, se este país não cumprisse as metas ambientais para a Amazónia.

O principal desafio

Na Europa (além da Áustria e da França), assinaram a declaração também os chefes de Estado de Itália, Alemanha, Finlândia, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Eslováquia, Eslovénia, Bósnia-Herzegovina, Letónia, Chipre, Montenegro, Sérvia, Moldávia e Mónaco e os chefes de governo da Dinamarca, Países Baixos, Espanha e Suécia.

Fora da Europa, a Iniciativa para Maior Ambição Climática tem o apoio de Moçambique, Israel, Coreia, Líbano, Nepal, Palau, Gana, Gâmbia e a Suazilândia.

“As alterações climáticas são o principal desafio do nosso tempo. A nossa geração é a primeira a viver o rápido aumento das temperaturas e provavelmente a última que tem a oportunidade de efetivamente combater a iminente crise global”, conclui-se no primeiro ponto do documento. “Nós, chefes de Estado e de Governo e futuros signatários desta Declaração, estamos convencidos que medidas efetivas para combater as alterações climáticas são não apenas necessárias, mas trarão benefícios adicionais e novas oportunidades para as nossas economias e sociedades. Estamos confiantes que medidas substanciais ajudar-nos-ão a conduzir o planeta para um futuro seguro, pacífico e próspero”.

Travar aquecimento global

“Baseados no conhecimento científico e técnico, bem como nos meios financeiros que o mundo tem hoje, temos coletivamente a obrigação para com as gerações futuras de fazer tudo o que está humanamente ao nosso alcance para travar o aquecimento global bem como adaptar aos efeitos adversos, respeitando a necessidade de uma justa transição para as nossas sociedades”. No texto, avança-se que o que se está a fazer não chega e pede-se a todos os países que revejam a sua atuação de forma muito mais ousada.

No texto apresentado pela Áustria, os signatários fazem um apelo à comunidade internacional e a todos os países signatários dos Acordos de Paris (195, contando ainda com os Estados Unidos): “Trabalhemos juntos, depressa e decisivamente para parar a crise climática global” de forma a fazer de 2019 “o ano da ambição climática”.

Propostas mais radicais

Os chefes de Estado e Governo pedem explicitamente que os países que estarão presentes na Cimeira da ONU, na próxima segunda-feira, apresentem propostas mais radicais que os atuais - de 45% de redução de gases com efeito de estufa para 2030 - começando já “com vigorosas contribuições para o próximo ano”. Ou seja, os signatários pedem que as emissões comecem a descer rapidamente já em 2020, não atirando os objetivos para mais tarde.

O apelo é também endereçado à banca e ao sistema financeiro que tem continuado a financiar projetos petrolíferos e de centrais a carvão. “Pedimos que todas as instituições financeiras alinhem os seus investimentos com os objetivos dos Acordos de Paris, para intensificar e os investimentos em eficiência energética e desinvestir o mais depressa possível na economia baseada nos combustíveis fósseis”.

Criar um futuro positivo

O texto termina com um tom esperançoso: “Aproveitamos todas as oportunidades e medidas para combater o aquecimento global, criando um futuro positivo para o nosso planeta. Deixemos aos nossos filhos e futuras gerações um mundo onde valha a pena viver”.

Marcelo Rebelo de Sousa estará presente na Cimeira da Ação Climática dia 23, e no dia 24 na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em Nova Iorque, onde deverá discursar.

 Telma Miguel