Escolha as suas informações

Manifestações pró e contra regime de Maduro convocadas para hoje em Caracas
Mundo 04.05.2019

Manifestações pró e contra regime de Maduro convocadas para hoje em Caracas

Manifestações pró e contra regime de Maduro convocadas para hoje em Caracas

Foto: AFP
Mundo 04.05.2019

Manifestações pró e contra regime de Maduro convocadas para hoje em Caracas

Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra o regime de Nicolás Maduro, num novo patamar da crise em que a Venezuela mergulhou desde que em 23 de janeiro o presidente do parlamento, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino.

Guaidó, que na madrugada da passada terça-feira desencadeou um golpe de força contra o regime, em que envolveu militares e apelou à adesão popular, pediu para que hoje os venezuelanos, e suas famílias, se manifestem defronte das bases militares para que o Exército deixe cair o Presidente do país, Nicolás Maduro.

A iniciativa da passada terça-feira constituiu o arranque da denominada “Operação Liberdade” que, segundo Guaidó, visa pôr termo ao que chama de “usurpação” da presidência por Nicolás Maduro.

A presidência interina de Guaidó é reconhecida por cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos da América, enquanto Maduro, que tem o apoio da Rússia, além de Cuba, Irão, Turquia e alguns outros países, considerou que a “Operação Liberdade” configura uma tentativa de golpe de Estado.

Até agora, não houve progressos na situação, aparentemente dominada pelo regime.

Nicolás Maduro, que tem sido alvo de forte contestação nas ruas, mas que aparentemente mantém o controlo das instituições, continua a ver as chefias militares a confirmarem-lhe a lealdade, mantendo a situação do país num impasse.

A resposta de Nicolás Maduro para o apelo de Guaidó de marchas pacíficas hoje foi a convocação de uma “grande jornada de mudança, de retificação, de renovação revolucionária”, com o propósito de "saber o que há que mudar, para melhorar" a revolução bolivariana.

Os confrontos registados desde a madrugada da passada terça-feira provocaram a morte de cinco manifestantes, três dos quais menores, e 239 ficaram feridos, segundo informações das Nações Unidas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas