Escolha as suas informações

Mais três navios saem de Odessa com 58 mil toneladas de cereais
Mundo 05.08.2022
Guerra na Ucrânia

Mais três navios saem de Odessa com 58 mil toneladas de cereais

O navio graneleiro M/V Rojen, com toneladas de milho, deixou o porto ucraniano de Chornomorsk em direção a Teesport, no Reino Unido, esta sexta-feira
Guerra na Ucrânia

Mais três navios saem de Odessa com 58 mil toneladas de cereais

O navio graneleiro M/V Rojen, com toneladas de milho, deixou o porto ucraniano de Chornomorsk em direção a Teesport, no Reino Unido, esta sexta-feira
Foto: Oleksandr GIMANOV/AFP
Mundo 05.08.2022
Guerra na Ucrânia

Mais três navios saem de Odessa com 58 mil toneladas de cereais

Lusa
Lusa
Estas operações seguem o acordo alcançado a 22 de julho entre a Rússia e a Ucrânia.

As autoridades ucranianas comunicaram esta sexta-feira a partida do porto de Chornomorsk, na região de Odessa, de três navios com mais de 58.000 toneladas de cereais, com destino à Turquia, Reino Unido e Irlanda.

Esta é a segunda operação através do corredor estabelecido sob supervisão turca e da ONU, após a operação de segunda-feira pelo navio Razoni com 26.500 toneladas de grãos.


Cereais. Centro de coordenação de exportações abre na Turquia
Os primeiros cargueiros com cereais ucranianos deverão sair dos portos de Odessa, Chernomorsk e Yuzni em breve.

Estas operações seguem o acordo alcançado a 22 de julho entre a Rússia e a Ucrânia, mediado pela ONU e Ancara, para desbloquear toneladas de grãos ucranianos e aliviar a crise alimentar global.

O ministro Kbrakov expressou esperança de que as garantias de segurança, supervisionadas pela Turquia e pela ONU, continuem a assegurar uma exportação "estável e previsível" de cereais, segundo a Agência Nacional de Notícias da Ucrânia.

Rotas seguras para evitar cenário de fome

Tanto a Turquia como a ONU tinham anunciado na quinta-feira a partida dos três navios, preparada e acompanhada pelo Centro Comum de Coordenação, estabelecido na semana passada em Istambul.

O carregamento de cereais de segunda-feira foi o primeiro a chegar aos mercados internacionais desde que a invasão russa da Ucrânia começou em fevereiro.

O Razoni partiu de Odessa e cerca de 36 horas depois atravessou o estreito de Bósforo para o porto libanês de Trípoli. Os delegados russos, ucranianos, turcos e da ONU inspecionaram o navio ancorado ao largo da costa norte de Istambul.


Ucrânia
90 anos depois, cereais ucranianos voltam a ser "arma de guerra"
O efeito mortífero do uso dos cereais como 'arma' na Ucrânia há 90 anos, narrado no livro Fome Vermelha da historiadora Anne Aplebaum, é agora revivido, à escala global, com o bloqueio das exportações alimentares deste país invadido pela Rússia.

Cerca de 20 milhões de toneladas de grãos foram bloqueadas nos portos ucranianos desde o início da guerra, devido a riscos relacionados com ataques russos e minas flutuantes colocadas por Kiev.

Com o acordo em vigor, que garante rotas seguras a partir dos portos de Odessa, Chornomorsk e Pivdennny, espera-se que se evite um cenário de crise alimentar e fome.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas