Escolha as suas informações

Há pelo menos um milhão de deslocados na Ucrânia
Mundo 01.03.2022 Do nosso arquivo online
ONU

Há pelo menos um milhão de deslocados na Ucrânia

Vários refugiados da Ucrânia reunidos para apanhar um autocarro do posto fronteiriço de Medyka para Przemysl, no leste da Polónia, a 28 de fevereiro de 2022.
ONU

Há pelo menos um milhão de deslocados na Ucrânia

Vários refugiados da Ucrânia reunidos para apanhar um autocarro do posto fronteiriço de Medyka para Przemysl, no leste da Polónia, a 28 de fevereiro de 2022.
Foto: Wojtek Radwanski/AFP
Mundo 01.03.2022 Do nosso arquivo online
ONU

Há pelo menos um milhão de deslocados na Ucrânia

Lusa
Lusa
Nos últimos seis dias cerca de 660.000 pessoas fugiram da Ucrânia para países vizinhos. Números estão a aumentar de forma "exponencial", disse esta terça-feira Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

A ONU estimou esta terça-feira em um milhão o número de deslocados no interior da Ucrânia, na sequência da invasão russa iniciada na quinta-feira passada. Em apenas seis dias, o conflito já causou uma vaga de mais de 660.000 refugiados, indicou esta terça-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), alertando que os números estão a aumentar de forma "exponencial". 

Centenas de milhares de pessoas terão fugido do país, mas outros fogem para outros locais no país, lembrou Karolina Lindholm Billing, responsável do ACNUR durante uma conferência de imprensa do Governo sueco.  

"Há muita atenção para aqueles que fogem para os países vizinhos, mas é importante lembrar que a maioria das pessoas afetadas se encontra na Ucrânia. Ainda não temos o número exato de pessoas deslocadas no interior da Ucrânia, mas estimamos que cerca de um milhão de pessoas tenha fugido dentro do próprio país", declarou Karolina Lindholm Billing.


Xavier Bettel. Luxemburgo vai receber mais refugiados do que o anunciado
"No contexto de solidariedade", Bettel sublinha que os ucranianos que desejem chegar ao Luxemburgo serão recebidos o mais rapidamente possível.

"Temos agora mais de 660.000 refugiados que fugiram da Ucrânia para países vizinhos nos últimos seis dias", referiu, por seu lado, o porta-voz do ACNUR, Shabia Mantoo, num encontro com a imprensa em Genebra. 

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e várias centenas de milhares de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.


O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky num discurso televisivo na capital ucraniana, Kiev.
Presidente ucraniano diz ter recebido "alguns sinais" nas negociações com Rússia
As delegações dos dois países terminaram na segunda-feira as primeiras conversações, realizadas na Bielorrússia, e admitiram um novo encontro "em breve".

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.  

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas