Escolha as suas informações

Mais de 4,4 milhões de ucranianos já fugiram do país
Mundo 09.04.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Mais de 4,4 milhões de ucranianos já fugiram do país

Cerca de 90% dos que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, dado que as autoridades ucranianas não permitem a saída de homens em idade militar devido à lei marcial.
Guerra na Ucrânia

Mais de 4,4 milhões de ucranianos já fugiram do país

Cerca de 90% dos que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, dado que as autoridades ucranianas não permitem a saída de homens em idade militar devido à lei marcial.
Foto: AFP
Mundo 09.04.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Mais de 4,4 milhões de ucranianos já fugiram do país

Lusa
Lusa
Mais de 4,4 milhões ucranianos fugiram do país desde a invasão ordenada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, em 24 de fevereiro, de acordo com os dados atualizados pelo Alto-Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

O ACNUR contabilizou hoje 4.441.663 refugiados ucranianos, mais 59.347 do que na sexta-feira.

Desde a Segunda Guerra Mundial que a Europa não assistia a um afluxo de refugiados tão grande.


O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.
Zelensky apela a "resposta global firme" após ataque a estação de comboios em Kramatorsk
O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou a uma “resposta global firme” à Rússia após o ataque à estação ferroviária em Kramatorsk.

Cerca de 90% dos que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, dado que as autoridades ucranianas não permitem a saída de homens em idade militar devido à lei marcial.

A ONU também estima o número de deslocados internos em 7,1 milhões, segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), divulgados na passada terça-feira.

No total, mais de 11 milhões de pessoas, ou seja, mais de um quarto da população, tiveram que abandonar as suas casas e atravessar a fronteira para chegar aos países vizinhos ou encontrar refúgio noutras localidades da Ucrânia.

Antes do conflito, a Ucrânia tinha mais de 37 milhões de habitantes nos territórios controlados por Kiev, sem incluir a península da Crimeia (sul), que foi anexada pela Rússia em 2014, e as regiões de Donetsk e Lugansk controladas por separatistas pró-russos.


O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.
Ucrânia quer tornar-se candidata à UE em junho
A vice-primeira-ministra da Integração Europeia e Euro-Atlântica da Ucrânia, Olga Stefanishina, disse ter esperança de que o país possa tornar-se candidato à adesão à União Europeia (UE) em junho.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,3 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas