Escolha as suas informações

Magdalena Andersson submete-se a nova votação para se tornar primeira-ministra
Mundo 2 min. 25.11.2021
Suécia

Magdalena Andersson submete-se a nova votação para se tornar primeira-ministra

Suécia

Magdalena Andersson submete-se a nova votação para se tornar primeira-ministra

Foto: AFP
Mundo 2 min. 25.11.2021
Suécia

Magdalena Andersson submete-se a nova votação para se tornar primeira-ministra

Lusa
Lusa
A líder social-democrata foi eleita na manhã de quarta-feira, mas teve de renunciar ao cargo oito horas depois, devido à derrota dos planos orçamentais do seu governo.

Após a sua conturbada renúncia, na quarta-feira, a líder social-democrata sueca Magdalena Andersson vai ser submetida a uma nova votação parlamentar, na segunda-feira, para tentar ser eleita primeira-ministra.

A líder social-democrata foi eleita na manhã de quarta-feira, mas teve de renunciar ao cargo oito horas depois, no final de um dia marcado pela derrota do seu orçamento e pelo abandono dos ambientalistas da coligação de Governo.

"Lamento profundamente os acontecimentos ocorridos no Parlamento ontem (quarta-feira)", disse o presidente do Parlamento, Andreas Norlén, que reconheceu que os conturbados incidentes das últimas horas “prejudicam a confiança no sistema político”.

Espera ser reeleita e quer um Governo 100% social-democrata

Depois de ter consultado os líderes dos partidos com assento parlamentar, Norlén concluiu que as suas intenções não se tinham alterado em relação à escolha do futuro primeiro-ministro, pelo que marcou uma nova votação para segunda-feira.


Primeira-ministra sueca demite-se horas após a nomeação
Os planos orçamentais foram rejeitados e significaram o colapso do Governo da Suécia, resultando na demissão da recém-eleita Primeira-Ministra, a primeira mulher a ocupar o cargo no país.

Magdalena Andersson já disse que espera agora ser reeleita para o cargo na próxima votação, procurando ter um Governo 100% social-democrata, sem depender de partidos extremistas e sem o partido dos Ambientalistas como parceiro de coligação.

Eleita para ser a primeira mulher na Suécia no cargo de primeiro-ministro, após vários dias de difíceis negociações, Andersson foi vítima de um penoso jogo político.

Na noite de terça-feira, esta economista de 54 anos - até agora ministra das Finanças do seu antecessor, Stefan Lofven - tinha garantido ‘in extremis’ o apoio necessário para chegar ao poder, graças a um acordo de última hora com o partido da Esquerda, prometendo aumentar as pensões mais baixas, e ao lado do partido Ambientalista.

Contudo, um outro partido relevante no Parlamento sueco, o Partido do Centro, insatisfeito com as concessões feitas à esquerda, retirou o seu apoio ao orçamento.

A consequência imediata foi que, o mesmo Parlamento que elegeu Andersson pela manhã, deixou o seu orçamento em minoria, à tarde, e aprovou o orçamento da oposição de direita, que fora preparado anteriormente com a extrema-direita, do partido Democrata da Suécia.

Partido Ambientalista anunciou a sua saída do Governo, forçando demissão

Andersson começou por dizer que aceitava a situação, mas o seu aliado na coligação minoritária, o Partido da Esquerda, considerou inaceitável governar com uma lei de Finanças com a marca da extrema-direita.

Logo após a derrota do orçamento no Parlamento, o partido Ambientalista anunciou a sua saída do Governo, forçando Andersson a demitir-se, poucas horas depois de ter sido eleita, obrigando o presidente do Parlamento a marcar nova votação, na segunda-feira.

Apesar de ser um país com largas tradições na igualdade de género, a Suécia nunca teve uma mulher no cargo de primeiro-ministro, posto que foi ocupado até agora por 33 homens desde seu início, em 1876.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O bloco governamental de esquerda obteve domingo mais uma ligeira vantagem de um deputado nas legislativas suecas, em relação à aliança de centro direita na oposição, numas eleições marcadas pela subida da extrema-direita Democratas da Suécia (DS), que se converteu na terceira força política com capacidade de influenciar o próximo governo.
O socialista Pedro Sánchez prestou hoje juramento como primeiro-ministro do Governo espanhol perante o rei, Felipe VI, tornando-se o sétimo chefe do executivo da democracia espanhola, depois do sucesso de uma moção de censura.
TOPSHOT - Spain's new Prime Minister Pedro Sanchez (L) shakes hands with outgoing premier Mariano Rajoy (R) next to Spain's King Felipe VI during a swearing-in ceremony at the Zarzuela Palace near Madrid on June 2, 2018.
Spain's Socialist chief Pedro Sanchez was sworn in as prime minister, a day after ousting Mariano Rajoy in a historic no-confidence vote sparked by fury over corruption woes afflicting the conservative leader's party. / AFP PHOTO / POOL / Fernando Alvarado
O líder histórico timorense Xanana Gusmão mostrou-se hoje convicto que o partido que lidera, o CNRT, terá maioria absoluta nas eleições legislativas de 22 de julho, admitindo ter pressão para assumir o cargo de primeiro-ministro no próximo executivo.
Xanana Gusmão
Avenida da liberdade, por Sérgio Ferreira Borges - Cavaco Silva embirra com a esquerda, tanto quanto a esquerda embirra com ele. O preço desta recíproca embirração tem vindo a ser pago pelos portugueses.