Escolha as suas informações

Macau quer população a desinfetar correio e a receber menos embalagens
Mundo 3 min. 18.01.2022
Covid-19

Macau quer população a desinfetar correio e a receber menos embalagens

Covid-19

Macau quer população a desinfetar correio e a receber menos embalagens

Foto: Shutterstock
Mundo 3 min. 18.01.2022
Covid-19

Macau quer população a desinfetar correio e a receber menos embalagens

Lusa
Lusa
Autoridades chinesas disseram que a fonte de uma infeção recente poderá ter sido através de uma embalagem do Canadá. Autoridades canadianas consideraram a hipótese "altamente improvável".

As autoridades de Macau apelaram à população para que recebam menos encomendas pelo correio, após a China ter ligado recentes casos de covid-19 a embalagens que chegaram do estrangeiro.

"O Centro de Coordenação de Contingência alerta os cidadãos a reduzir e manusear com cuidado, os produtos adquiridos por correio", apelaram as autoridades de saúde de Macau, em comunicado.

A razão para este aviso prende-se, segundo as autoridades do território, com a informação "sobre o rastreio da origem de casos positivos da covid-19 no interior da China" que, "após teste de ácido nucleico, revela que foram realizados teste a amostras ambientais a correio internacional com que os casos confirmados também tiveram contacto, tendo sido detetada a estirpe Omicron".

Pequim relatou o primeiro caso Omicron transmitido localmente no sábado e a comissão municipal de saúde chinesa diz que a fonte da infeção poderá ter sido através de uma embalagem proveniente do Canadá, que ainda passou pelos Estados Unidos e Hong Kong antes de chegar à capital chinesa.

Pequim também aconselhou a população minimizar a compra de bens do estrangeiro. Os especialistas e consultores de saúde do Governo canadiano já reagiram a estas alegações, considerando-as altamente improváveis.

"Teria de ter vírus num objeto, teria de sobreviver através de todo esse transporte e de todas essas circunstâncias", ou seja, "seria altamente improvável que isso pudesse alguma vez transmitir a covid-19", afirmou Supriya Sharma, um consultora médica chefe da Saúde do Canada, à CTV News Channel.

Também o vice-diretor de saúde pública da Agência de Saúde Pública do Canadá já veio negar estas alegações: "Penso que sabemos onde está a ciência em termos do principal modo de transmissão", disse Howard Njoo.

Em Zhuhai, cidade chinesa adjacente a Macau, foram diagnosticados dois novos casos locais foram na segunda-feira confirmados, perfazendo um total de 14 casos nos últimos dias.

Tal como em Pequim, as autoridades sanitárias de Zhuhai também disseram na conferência que "com base na atual investigação epidemiológica no local e testes laboratoriais, os peritos concluem que não se pode excluir a exposição a artigos contaminados no exterior como sendo a causa deste surto".


Mar del Plata, na Argentina, um dos destinos turísticos do país.
Argentina, Austrália e Canadá? Já pode viajar para estes destinos
O Conselho Europeu acaba de rever a lista de países considerados seguros para viajar e recomenda que os 27 da UE levantem as restrições atuais. As listas são atualizadas a cada duas semanas.

Os casos na China continental, apesar de reduzidos, estão a aumentar, com o registo de surtos locais um pouco por todo o país, a poucos dias da celebração da passagem do ano lunar com a família, na maior migração interna do planeta, e do início, a 4 de fevereiro, dos Jogos Olímpicos de Inverno.

O aumento do número de casos nas regiões vizinhas e a identificação de casos Omicron detetadas durante as longas quarentenas impostas em Macau, fizeram com que as autoridades de Macau reforçassem o alerta junto da população e a dizerem que um "surto de covid-19 é provável" no território.

Há duas semanas, após um surto ter sido registado em Hong Kong, Macau proibiu voos de fora da China de aterrarem no território, numa altura em que muitas pessoas, entre os quais portugueses, regressavam das férias de Natal. Essa proibição está imposta até dia 23 de janeiro. Contudo, as autoridades já admitiram que a medida pode ser prolongada.

Macau, que tem seguido a política de zero casos de covid-19, registou apenas 79 casos de covid-19, impõe quarentenas de regresso que podem chegar a 35 dias dentro de um quarto de hotel e não permite sequer a entrada a quem teve covid-19 nos últimos dois meses.

Assim como acontece na China continental, o Governo de Macau passou a não considerar os casos assintomáticos para efeitos de contabilidade dos casos registados.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas