Escolha as suas informações

Liberais reivindicam papel decisivo no novo Parlamento Europeu
Mundo 26.05.2019

Liberais reivindicam papel decisivo no novo Parlamento Europeu

Liberais reivindicam papel decisivo no novo Parlamento Europeu

Foto: AFP
Mundo 26.05.2019

Liberais reivindicam papel decisivo no novo Parlamento Europeu

“Isso significa que não será possível qualquer maioria pró-europeia sólida sem a participação do nosso grupo centrista, composto por ALDE, a Renascença e outros”, declarou o líder do grupo dos liberais, Guy Verhofstadt, segundo o qual “no final da noite ficará claro este foi o grupo pró-europeu que realmente ganhou estas eleições”, registando a maior subida entre todas as bancadas.

A família política europeia dos Liberais reivindicou hoje, em Bruxelas, um papel “crucial” na próxima legislatura do Parlamento Europeu, ao afirmar-se como o terceiro maior grupo da assembleia, onde PPE e Socialistas deixam de ter uma maioria.

Numa primeira reação, no hemiciclo de Bruxelas, à primeira estimativa divulgada pelos serviços do próprio Parlamento Europeu, o líder parlamentar da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE), Guy Verhofstadt, sublinhou que, pela primeira vez, Partido Popular Europeu e Socialistas e Democratas (S&D) não têm, entre si, uma maioria, pelo que a sua bancada terá um papel “crucial”.

“Isso significa que não será possível qualquer maioria pró-europeia sólida sem a participação do nosso grupo centrista, composto por ALDE, a Renascença e outros”, declarou Verhofstadt, segundo o qual “no final da noite ficará claro este foi o grupo pró-europeu que realmente ganhou estas eleições”, registando a maior subida entre todas as bancadas.

De acordo com a primeira projeção divulgada pelo Parlamento Europeu - que tem em conta sondagens à boca das urnas em 16 Estados-membros e projeções nos restantes 12 -, a bancada dos Liberais destaca-se como a terceira força, conquistando 34 lugares e passando para 102, enquanto PPE e S&D continuam a ser as duas principais forças, mas perdendo cada cerca de 40 assentos.

Já hoje, tornou-se finalmente oficial que a Renascença (Renaissance En Marche), o nome pelo qual o partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, fez campanha nestas eleições europeias vai unir-se aos liberais europeus, anunciou o Parlamento Europeu.

Philipp Schulmeister, responsável pelas projeções do Parlamento Europeu, esclareceu que a Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE) solicitou que os resultados do partido do Presidente francês “sejam atribuídos a esse grupo”, assim como da força anticorrupção romena Aliança 2020 USR-PLUS.

“O ALDE pediu igualmente que o nome do grupo seja, a título provisório, ALDE/ Renaissance/ USR+”. 

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Juncker pode ter de manter-se em funções além de outubro
O resultado das eleições europeias poderá forçar a Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker a permanecer em funções além da data de final do seu mandato, 31 de outubro, face às previsíveis dificuldades na formação do novo executivo comunitário.