Escolha as suas informações

Líderes europeus reiteram indisponibilidade para renegociar acordo do 'Brexit'
Mundo 2 min. 14.12.2018

Líderes europeus reiteram indisponibilidade para renegociar acordo do 'Brexit'

Líderes europeus reiteram indisponibilidade para renegociar acordo do 'Brexit'

AFP
Mundo 2 min. 14.12.2018

Líderes europeus reiteram indisponibilidade para renegociar acordo do 'Brexit'

O Conselho Europeu adotou um conjunto de conclusões que não altera em nada a posição dos 27 sobre o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, com os líderes europeus a reiterarem a indisponibilidade para renegociar.

“O Conselho Europeu reconfirmou as conclusões de 25 de novembro, dia no qual endossou o acordo de saída e aprovou a declaração política. A União mantém o seu apoio a este acordo e pretende proceder à sua ratificação. Este não está aberto a uma renegociação”, pode ler-se no primeiro ponto das conclusões da reunião a 27, dedicada ao Artigo 50.º.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, que ouviram as pretensões da primeira-ministra britânica, Theresa May, durante o jantar, estiveram reunidos durante cerca de três horas apenas para reafirmarem a posição que têm defendido nas últimas três semanas: não há margem para mexer no acordo endossado na cimeira extraordinária de novembro.

“O Conselho Europeu reitera o seu desejo de estabelecer uma parceria o mais próxima possível com o Reino Unido no futuro. Permanece disponível para, após a assinatura do acordo de saída, embarcar imediatamente em preparações para assegurar que as negociações da relação futura comecem tão rapidamente quanto possível após o ‘Brexit’”, sublinham nas conclusões.

Tal como já plasmado no acordo de 585 páginas endossado em 25 de novembro, os 27 prometem envidar “os melhores esforços” para negociar e concluir “expeditamente” um acordo futuro que substitua o ‘backstop’, esperando a mesma postura da parte do Governo britânico.

As conclusões do Conselho Europeu dedicado ao ‘Brexit’ são uma ‘mão cheia de nada’ para a primeira-ministra britânica, que sairá de Bruxelas sem “as garantias adicionais” que reclamava, nomeadamente em relação à solução de recurso para a fronteira irlandesa.

Horas após ter ‘sobrevivido’ a uma moção de censura interna do Partido Conservador à sua liderança, May transmitiu aos seus parceiros europeus as preocupações que ouviu dos deputados no parlamento britânico.

Na passada segunda-feira, Theresa May decidiu adiar a votação do acordo do ‘Brexit’ no parlamento britânico, por admitir que o mesmo seria rejeitado por “larga margem”, tendo-se deslocado a Bruxelas no dia seguinte para discutir com os líderes europeus formas de obter “garantias adicionais”.

Nas conclusões publicadas esta noite, os 27 não cederam ‘um milímetro’ na sua determinação, limitando-se a repetir o que já constava no acordo de saída do Reino Unido da UE.


Notícias relacionadas

Que mais irá acontecer ao Brexit?
A União Europeia já pediu explicações a Londres, os até agora parceiros comunitário dos Reino Unido querem saber o que é que os súbditos de sua majestade querem mesmo, para poderem saber o que se segue. Veja aqui os cenários mais prováveis.