Escolha as suas informações

Kim Jong-un aceita desmantelar complexo nuclear
Mundo 2 min. 19.09.2018 Do nosso arquivo online

Kim Jong-un aceita desmantelar complexo nuclear

Kim Jong-un aceita desmantelar complexo nuclear

Foto: AFP
Mundo 2 min. 19.09.2018 Do nosso arquivo online

Kim Jong-un aceita desmantelar complexo nuclear

Mas, conforme referiu na cimeira com o homólogo da Coreia do Sul, só o fará se os Estados Unidos adotarem "medidas proporcionais".

O líder da Coreia do Norte concordou hoje em desmantelar de forma permanente o principal complexo nuclear em Nyonbyon, se os EUA tomarem "medidas proporcionais", e em encerrar instalações de testes em Punggye-ri e lançamento de mísseis em Sohae.

O desmantelamento do complexo de Yongbyon, epicentro do programa nuclear da Coreia do Norte fica dependente de "medidas proporcionais" a serem tomadas pelos Estados Unidos, tal como acordado na cimeira de Singapura, que decorreu em junho e que juntou o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, noticiou hoje a agência de notícias estatal Yobhap.

Na declaração conjunta assinada hoje por Kim Jong-un e o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, na cimeira que decorre em Pyongyang, reafirma-se o compromisso de eliminar armas nucleares da península coreana e enfatiza-se a importância de fazer progressos reais assim que possível.

A decisão de Kim Jong-un em desmantelar permanentemente as principais instalações de testes e de lançamento de mísseis perto de sua fronteira com a China é o passo mais concreto nos dois dias da cimeira entre os dois líderes em Pyongyang, embora deixe medidas adicionais relacionadas com a desnuclearização dependentes de Washington.

Ambois os líderes, Kim e Moon, concordaram em promoverem esforços conjuntos para garantir uma península coreana livre de armas nucleares.

A Coreia do Norte tem exigido ao longo dos anos uma declaração formal do fim da Guerra da Coreia, que foi interrompida em 1953 por um cessar-fogo, mas nenhum dos líderes mencionou hoje esse facto.

"Nós concordamos em fazer da península coreana uma terra de paz, livre de armas nucleares e ameaça nuclear", disse Kim ao lado de Moon.

"O caminho para o nosso futuro nem sempre será tranquilo e podemos enfrentar desafios e provações que não antecipamos. Mas não temos medo de ventos contrários, porque a nossa força crescerá à medida que superamos cada tentativa com base na força da nossa nação", acrescentou.

Na declaração conjunta, Kim jong-un prometeu visitar Seul "num futuro próximo", o que a acontecer tornará Kim no primeiro líder norte-coreano a visitar a capital da Coreia do Sul desde que a península foi dividida em Norte e Sul no final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

O falecido pai de Kim, Kim Jong-il, prometeu fazê-lo quando líderes sul-coreanos o visitaram em Pyongyang, em 2000 e 2007, mas a viagem a Seul nunca aconteceu.


Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Estados Unidos, China e Japão saúdam decisão de Pyongyang
A China, principal aliado da Coreia do Norte, saudou hoje o anúncio de Pyongyang de que irá suspender os seus ensaios nucleares e de mísseis intercontinentais, afirmando que isso contribuirá para a desnuclearização da península coreana. A agência de notícias oficial da Coreia do Norte adiantou que a suspensão dos testes nucleares tem efeito a partir de hoje.
A man watches a television news showing a file footage of North Korean leader Kim Jong Un, at a railway station in Seoul on April 21, 2018.
North Korean leader Kim Jong Un said he would halt nuclear tests and intercontinental missile launches, in an announcement welcomed by US President Donald Trump ahead of a much-anticipated summit between the two men. / AFP PHOTO / Jung Yeon-je