Escolha as suas informações

Kiev denuncia 379 crianças mortas e 733 feridas por ataques russos
Mundo 29.08.2022
Guerra na Ucrânia

Kiev denuncia 379 crianças mortas e 733 feridas por ataques russos

Guerra na Ucrânia

Kiev denuncia 379 crianças mortas e 733 feridas por ataques russos

Foto: AFP
Mundo 29.08.2022
Guerra na Ucrânia

Kiev denuncia 379 crianças mortas e 733 feridas por ataques russos

Lusa
Lusa
A maioria das vítimas infantis, contando mortes e ferimentos, foi registada na região de Donetsk.

A Procuradoria para a Infância da Ucrânia denunciou que, pelo menos, 379 crianças morreram e cerca de 733 ficaram feridas em ataques realizados pela Rússia desde o início da invasão da Ucrânia, no final de fevereiro.

A maioria das vítimas infantis, contando mortes e ferimentos, foi registada na região de Donetsk, com 388; Kharkov, com 202; a região da capital, Kiev, com 116; Chernigov (68); região de Lugansk (61); Kherson (55); Mikolaiv (67); Zaporijia (44); Sumy (17) e Zhytomyr (15).

O Ministério Público denunciou que os ataques russos também destruíram 2.328 estabelecimentos de ensino, das quais 289 ficaram completamente destruídos.

De acordo com o mais recente balanço do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, divulgado na passada segunda-feira, quase 5.600 civis ucranianos morreram e quase 7.900 ficaram feridos como resultado da invasão russa.


Um menina em cima de um tanque russo destruído, nas ruas de Kiev, no sábado.
Após seis meses de guerra na Ucrânia, o que podemos esperar? Perguntas e respostas
Seis meses após a invasão russa da Ucrânia, o conflito não mostra sinais de ter terminado e está a arrastar-se, dizem os especialistas.

Nesse mesmo balanço, a ONU contabilizou 362 crianças mortas e 610 feridas, desde o início da guerra, mas tanto as Nações Unidas como o Ministério Público ucraniano temem que esses dados sejam inferiores aos números reais, dada a dificuldade de coligir informações durante o conflito.

A ofensiva militar lançada em 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções em todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas