Escolha as suas informações

Justiça brasileira arquiva processo que levou à prisão de Lula da Silva
Mundo 2 min. 28.01.2022
Brasil

Justiça brasileira arquiva processo que levou à prisão de Lula da Silva

Brasil

Justiça brasileira arquiva processo que levou à prisão de Lula da Silva

Paulo Lopes/ZUMA Wire/dpa
Mundo 2 min. 28.01.2022
Brasil

Justiça brasileira arquiva processo que levou à prisão de Lula da Silva

Lusa
Lusa
Segundo todas as sondagens divulgadas no país, Lula da Silva tem intenção de voto perto de 45%, ante os 25% atribuídos ao atual Presidente, Jair Bolsonaro.

A justiça brasileira arquivou hoje um processo de corrupção contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que já o tinha levado a estar preso 580 dias, após reconhecer a prescrição do caso.

A juíza Pollyanna Alves, da 12.ª Vara Federal Criminal de Brasília, deu provimento a uma ação do Ministério Público Federal em dezembro do ano passado que argumentava que a questão deveria ser arquivada já que os factos datavam de 2011 e o prazo prescricional de 16 anos acabou reduzido pela metade, devido à idade de Lula da Silva.

As acusações referiam-se à posse de um apartamento de luxo no Guarujá, cidade localizada no litoral de São Paulo, que Lula da Silva teria alegadamente recebido em troca de favorecimento da construtora OAS em contratos com a petrolífera estatal Petrobras.

Ex-presidente cumpriu um ano e sete meses de prisão  

Por causa disso, o ex-presidente foi preso em 2018 e cumpriu um ano e sete meses de prisão, condenado por corrupção em primeira instância no processo que estava a cargo do então juiz Sergio Moro, que hoje aspira ser candidato à Presidência do Brasil nas eleições de outubro próximo, para o qual Lula da Silva é o favorito.

Os julgamentos liderados por Moro, no entanto, foram anulados no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal, que identificou um conflito de competência e ordenou que os processos sob sua responsabilidade nos quais Lula da Silva havia sido condenado fossem enviados à Justiça de Brasília.

Essa decisão afetou outros dois processos, um em relação a uma casa de campo em Atibaia, no interior de São Paulo, e outro sobre o Instituto Lula, fundado pelo ex-presidente e que também já foram arquivados pela Justiça Federal de Brasília.

O ex-juiz Sérgio Moro também foi considerado suspeito por ter atuado de forma parcial em ações contra o ex-presidente numa outra decisão tomada pelo STF.

Anulação dos processos devolveu a Lula os seus direitos políticos   

Segundo o advogado Cristiano Zanin, que representa Lula da Silva, a decisão adotada nesta sexta-feira reforça a tese de que alguns membros da justiça perseguiram o ex-presidente e fizeram uso político e perverso das leis.

A anulação dos processos decididos no ano passado pelo STF devolveu a Lula seus direitos políticos e abriu as portas para sua nova candidatura presidencial, que o ex-presidente ainda não confirmou, mas que é considerada uma certeza no meio político.

Até agora, Lula da Silva insiste que só será candidato à Presidência nas eleições de outubro próximo se o Partido dos Trabalhadores (PT) assim decidir.

Segundo todas as sondagens divulgadas no país, Lula da Silva tem intenção de voto perto de 45%, ante os 25% atribuídos ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, que é segundo na lista de preferências dos eleitores brasileiros.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Até a publicação deste texto, Lula ainda não tinha deixado a sede da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso desde 7 de abril de 2018. Militantes e apoiantes concentram-se perto do edifício da sede da Polícia Federal aguardando a saída da cadeia do ex-presidente.
O ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva considerou "absurdo" o mandado de prisão de que é alvo e acusou o juiz Sérgio Moro "de sonhar" com a sua detenção, disse numa entrevista à rádio CBN, nesta sexta-feira.
(FILES) In this file photo taken on April 24, 2017 former Brazilian President (2003-2010) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a seminar on "Strategies for the Brazilian Economy" promoted by the Workers' Party in Brasilia.
Brazil's former president and current election frontrunner Luiz Inacio Lula da Silva looked increasingly likely to face prison on April 04, 2018  after five out of eleven judges of the divided Supreme Court voted against allowing him to delay a sentence for corruption. / AFP PHOTO / EVARISTO SA