Escolha as suas informações

Juncker: "Estou extremamente desiludido com Putin"
Mundo 2 min. 05.03.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Juncker: "Estou extremamente desiludido com Putin"

Para Jean-Claude Juncker, não há necessidade de temer uma guerra nuclear.
Guerra na Ucrânia

Juncker: "Estou extremamente desiludido com Putin"

Para Jean-Claude Juncker, não há necessidade de temer uma guerra nuclear.
Foto: Guy Wolff
Mundo 2 min. 05.03.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Juncker: "Estou extremamente desiludido com Putin"

Jeff WILTZIUS
Jeff WILTZIUS
O antigo presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker e o líder do Kremlin Vladimir Putin conhecem-se há mais de 20 anos - a maior deceção do político luxemburguês.

Para o presidente russo, Vladmir Putin, o maior erro histórico foi a dissolução da União Soviética. O antigo primeiro-ministro luxemburguês e ex-líder da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker disse isto sobre o líder do Kremlin na RTL no sábado. "Conheço-o há 22 anos. Temos conversado durante inúmeras horas. Mas é como se a sua natureza tivesse mudado hoje em dia. Estou desiludido com ele".


O Presidente da Rússia, Vladimir Putin.
Putin diz que sanções impostas à Rússia são como uma declaração de guerra
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse este sábado que as sanções impostas pelo Ocidente ao seu país como resposta à invasão da Ucrânia são "como uma declaração de guerra".

O ex-líder da Comissão não pensava que a Rússia invadisse a Ucrânia. "Fomos ingénuos: Sim!". Agora, está de volta a Guerra Fria - de uma forma diferente. No entanto, o presidente russo tinha declarado pessoalmente que a Guerra Fria tinha terminado em 2001. "Não devemos cair de novo na velha retórica e rearmar-se insensatamente. O dinheiro pode ser melhor utilizado". 

A diplomacia, disse Juncker , era o único caminho certo. Basta um "idiota" para começar uma guerra, mas "50 génios" para acabar com ela.

Junker, no entanto, não leva a sério a possibilidade de uma ameaça nuclear. No domingo passado, Putin anunciou que as armas de dissuasão da Rússia seriam colocadas em alerta máximo. "Não vejo uma guerra nuclear". Muito mais premente, porém, é a questão da segurança dos 35 reactores nucleares na Ucrânia. "Se algo acontecer ali, poderá assumir proporções consideráveis - também para a Europa", alertou.


O Presidente russo, Vladimir Putin.
Putin diz que decisão de invadir Ucrânia foi "muito difícil"
O Presidente russo, Vladimir Putin, disse este sábado que a decisão de intervir militarmente na Ucrânia foi “muito difícil”.

O presidente russo provavelmente não esperava a reação feroz à invasão da Ucrânia. "Acho que a Rússia não vai atacar mais países". Porque a NATO não é uma ameaça para a Rússia. "Existe apenas para a nossa defesa. Além disso, Putin gosta de afirmar que a Rússia está rodeada pela NATO. Mas isso não é verdade". Apenas seis por cento da fronteira da Rússia está rodeada por países da NATO.

Em retrospectiva, a política na Europa e nos EUA dos últimos anos também contribuiu para a situação actual. "Nas nossas conversações, sempre me pareceu que os russos não sentiam que estavam em pé de igualdade". Além disso, o Ocidente não aderiu a acordos e assim posicionou armas na fronteira russa, entre outras coisas, apesar da proibição. "A Rússia deveria ter estado muito mais envolvida nas decisões políticas", diz Juncker.

O ex-líder da Comissão Europeia considera que é um erro de não respeitar a Rússia e chamar ao país uma "potência política regional" não contribui para o desanuviamento político. "Precisamos agora de grandes esforços diplomáticos da parte dos EUA, Europa e Canadá para uma solução, que ainda não vejo". Excluir artistas e atletas russos de eventos internacionais, no entanto, "é o caminho errado", afirmou Juncker.

(Artigo originalmente publicado na edição alemã do Luxemburger Wort)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Como historiador, sei pouco acerca da Ucrânia, mas também sei que quem fala em nome das lições da História, sempre com maiúscula, se serve desta para defender pontos de vista muito parciais.