Escolha as suas informações

Jovens em greve às aulas pelo clima em 122 países do mundo

Jovens em greve às aulas pelo clima em 122 países do mundo

Foto: AFP
Mundo 14 2 min. 15.03.2019

Jovens em greve às aulas pelo clima em 122 países do mundo

No Luxemburgo mais de 10 mil estudantes deverão sair às ruas.

Milhares de estudantes de 122 países estão hoje em greve pelo clima para sensibilizar os políticos para uma maior ação contra as alterações climáticas. Devido ao fuso horário, as primeiras manifestações já começaram a acontecer na Oceânia e Ásia, nomeadamente Nova Zelândia, Sydney, Banquecoque, Hong Kong e Coreia do Sul. Os jovens levaram cartazes com mensagens como  "Não há um planeta B", "Estão a destruir o nosso futuro" ou "Se não agem como adultos, nós iremos fazê-lo". 

Os jovens responderam assim em massa ao apelo de Greta Thunberg. a jovem sueca ativista que incitou os mais novos a moblizarem-se contra as alterações climáticas e que está, inclusive, nomeada para o Prémio Nobel da Paz. Segundo o site FridaysforFuture, as manifestações estão previstas acontecer em mais de 2 mil  lugares, com Itália, França e Itália a liderarem em número de cidades. 

A greve pelo clima foi iniciada por Greta, em frente ao parlamento sueco. Todas as sextas-feiras desde o verão passado, a jovem empunhava um cartaz onde se lia "greve escolar pelo clima". A Bélgica e a Alemanha têm respondido intensamente ao apelo com manifestações estudantis quase todas as sextas-feiras.

Em concreto, os jovens querem ver cumprido o objetivo de limitar a subida da temperatura global em 2 graus, comparado com a era pré-Revolução Industrial, e tal como acordado pelas nações mundiais nos Acordos de Paris. Os protestos não têm recebidos de forma positiva pot alguns políticos, como no caso do governo australiano. No sentido inverso, governos como o da Nova Zelândia, ou as cidades de Paris e Milão. 

Transportes públicos reforçados no Luxemburgo

O Luxemburgo é um dos países que vai participar na iniciativa mundial que acontece em simultâneo em centenas de países. Só no Grão-Ducado estão previstos mais de 10 mil estudantes na manifestação a favor do clima. 

A linha Diekirck-Luxemburgo está prevista ter mais comboios a circular. Haverá também autocarros diretos para Glacis, local onde os estudantes se vão concentrar, desde as 10:00 da manhã a partir dos liceus de Echternach, Grevenmacher e Redange/Attert.


Greve ambiental. “Quando for grande quero estar viva”
Na próxima sexta-feira, prevê-se que mais de 10 mil estudantes vão tomar as ruas do Luxemburgo para lutar contra a inação dos governos que leva o planeta à beira do desastre ecológico.

A pedido da Associação de Estudantes do Liceu de Echternach, a linha do autocarro 110 será reforçada às 10:15 por cinco autocarros que partirão de Echternach para a cidade do Luxemburgo, com paragem em todas as estações, incluindo Junglinster. 

O reforço de staff acontecerá em cerca de 20 estações de comboio até por volta das 16:00, "de forma a assegurar que os jovens são convenientemente supervisionados", refere o ministério da Mobilidade e dos Transportes em comunicado.

Em Schifflange, o Contacto foi conhecer as três jovens lusodescendentes que convocaram a greve global ambiental de 15 de março no Luxemburgo: Joana Coimbra Marques, 16 anos, Sílvia Almeida, 18 anos, e Sara Sousa, 18 anos. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas