Escolha as suas informações

Itália. Em Calolziocorte não há centros de acolhimento para refugiados perto de escolas
Mundo 12.04.2019

Itália. Em Calolziocorte não há centros de acolhimento para refugiados perto de escolas

Itália. Em Calolziocorte não há centros de acolhimento para refugiados perto de escolas

Foto: DR
Mundo 12.04.2019

Itália. Em Calolziocorte não há centros de acolhimento para refugiados perto de escolas

Presidente da Câmara diz que "alguns são verdadeiros centros de tráfico de drogas" e aprovou um plano urbanístico que prevê zonas de acesso restrito.

Para Marco Ghezzi, Presidente da Câmara em Calolziocorte, na região da Lombardia, em Itália, e membro da Liga, o partido de extrema-direita liderado por Matteo Salvini, ministro italiano do Interior, não há qualquer dúvida: os centros de acolhimento a refugiados não devem situar-se "a menos de 150 metros de escolas e bibliotecas". O seu argumento, defendido aos microfones da Radio Capital, é que "alguns são verdadeiros centros de tráfico de drogas". Além disso, existirá a definição de zonas vermelhas e azuis com acesso restrito aos referidos refugiados. 

Embora tenha já sido considerado vergonhoso e inconstitucional por diversos representantes da oposição, o plano urbanístico da pequena cidade com 15 mil habitantes que acolhe, para já, duas dezenas de refugiados, foi aprovado e Ghezzi não hesitou em defendê-lo de qualquer crítica. "Tomámos esta decisão como medida preventiva para proteger as escolas, uma vez que existe esse risco de se tornarem lugares onde podem ser compradas drogas. Trata-se de uma medida de senso comum e destina-se a que os centros sejam colocados no melhor lugar possível para a localidade e tendo em conta a integração de quem seja recebido", acrescentou. "Não é discriminação, é uma medida de mero senso comum", disse Ghezzi.

Senadores da oposição, como Andrea Marcucci, consideraram que se trata de "um apartheid, uma abominação que tem de ser travada". Na rede social Twitter, um outro senador, Eugenio Comincini, escreveu: "Maioritária no conselho municipal, a Liga aprovou medidas escandalosas, separando o território da cidade em zonas nas quais é restrito o acesso de migrantes. Estas medidas são formas desgraçadas de 'guetização' e vou fazer um pedido formal ao ministro Salvini para que clarifique a posição do seu partido sobre o assunto", referiu.



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.