Escolha as suas informações

Irlanda. Dois rapazes de 13 anos culpados de violação e homicídio de uma adolescente
Mundo 4 min. 26.06.2019 Do nosso arquivo online

Irlanda. Dois rapazes de 13 anos culpados de violação e homicídio de uma adolescente

Irlanda. Dois rapazes de 13 anos culpados de violação e homicídio de uma adolescente

Foto: DR
Mundo 4 min. 26.06.2019 Do nosso arquivo online

Irlanda. Dois rapazes de 13 anos culpados de violação e homicídio de uma adolescente

A jovem era deficiente e era vítima de bullyng nas redes sociais. O crime está a horrorizar os irlandeses, e a lançar um debate sobre o combate a determinados comportamentos nos adolescentes, nomeadamente sobre o acesso a imagens pornográficas violentas na internet.

A morte da adolescente Ana Kriégel, 14 anos, chocou a Irlanda.  Ana foi violada e assassinada por dois rapazes de 13 anos. 

Os rapazes (devido à idade precoce, são apenas mencionados como Rapaz A e rapaz B) foram considerados culpados dos crimes que terá ocorrido a 13 de maio de 2018. O corpo foi encontrado três dias depois e as provas não deixavam dúvidas: Ana foi seduzida para uma casa abandonada em Lucan, um subúrbio de Dublin, violada e agredida violentamente com um pau e um bloco de cimento.  

 As autoridades chegaram rapidamente à dupla de adolescentes. Por serem menores, as suas identidades não foram reveladas, mas os nomes circulam nas redes sociais e as respectivas famílias já receberam ameaças de morte. 

Ana nasceu na Sibéria e foi adoptada por um casal irlandês, Geraldine e Patric, aos dois anos. Foi operada a um tumor que lhe causou problemas de memória visão e audição. Apesar disso, a mãe afirmou, em tribunal, que a filha era uma "menina doce e vulnerável, que tinha dificuldades nos estudos e tentava, em vão, fazer amigos". 

O bullying acontecia dentro e fora da escola, sobretudo através das redes sociais. A jovem era considerada uma "weirdo" ("estranha" ou "esquisita"). Era constantemente gozada por ter "pais falsos" e sofria ameaças constantes. Um utilizador do Youtube deixou-lhe um comentário em que expressão o desejo "de mandar execúta-la", segundo o jornal britânico The Guardian.  

Por tudo isto, Ana levava uma vida muito solitária e foi com surpresa e entusiasmo que aceitou o convite do Rapaz B que a levaria a encontrar o Rapaz A, por quem tinha uma paixoneta. Este estava à sua espera numa casa abandonada, no meio de uma floresta. Ana não podia supor que fosse uma armadilha macabra.  No seu corpo,  a polícia encontrou marcas de cerca de 60 ferimentos.

O computador do Rapaz A tinha mais de 12 mil imagens pornográficas, em que a maioria envolvia violência sexual. Há também registos de pesquisas online sobre tortura. Foi encontrado o seu sémen nas roupas rasgadas de Ana. O Rapaz B disse ter apenas assistido às acções do amigo. 

O psicólogo Vitor Rodrigues, afirmou ao Contacto que o comportamento destes adolescentes indicia um sério transtorno de personalidade:  "Estamos a falar de pequenos psicopatas. Estas crianças já teriam uma perturbação de personalidade, um transtorno, e o acesso a conteúdo sensível online foi um catalisador dos acontecimentos mas não o seu causador. Eles fariam o mesmo se não houvesse internet.".

O psicólogo vê um problema maior em casos como este. "As crianças não devem ter acesso não supervisionado à internet mas, neste momento, é praticamente impossível evitá-lo. Os jovens já dominam muito mais as tecnologias do que os pais. A questão, aqui, é que as redes sociais estão a causar uma perda da noção de ética, de sociedade, de família. Valores essenciais para uma convivência social saudável. Estão a ser destruídas por um conjunto de fatores como o excesso de informação, os conteúdos de entretenimento que são cada vez mais amorais e ultra violentos. Limites são muito importantes e este caso é o reflexo desse caos muito mais vasto".  

A dupla, agora com 14, foi considerada culpada de homicídio, a 18 de junho de 2019, num caso sem precedentes na Irlanda. Até há data, não há registos de homicidas tão novos e com estes contornos de violência. A sentença final de A e B ainda não foi conhecida. Na justiça irlandesa, os menores raramente enfrentam uma pena superior a três anos de reclusão mas, neste caso, devido à gravidade do crime, pode acontecer. 

Com agressores tão novos a cometer atos violentos e fatais, a sociedade irlandesa discute o que fazer para evitar que aconteça de novo. O Governo está a fazer mais pressão às empresas Facebook e Twitter para terem mais controlo sobre os seus conteúdos e o primeiro-ministro Leo Varadkar admite ‘importar’ uma lei britânica de restrição do acesso à pornografia de modo a combater a violência sexual.

Os dois rapazes continuam a negar o envolvimento na morte. Quando a polícia o confrontou com as provas de ADN que confirmaram que o sangue de Ana estava nas suas botas, o rapaz A respondeu: "Está a gozar comigo? Está realmente a falar a sério?"




Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas