Escolha as suas informações

Invasão russa já causou 3,48 milhões de refugiados
Mundo 2 min. 21.03.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Invasão russa já causou 3,48 milhões de refugiados

Cerca de 90% dos que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, segundo a ACNUR
Guerra na Ucrânia

Invasão russa já causou 3,48 milhões de refugiados

Cerca de 90% dos que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, segundo a ACNUR
Foto: Gil COHEN-MAGEN / AFP
Mundo 2 min. 21.03.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Invasão russa já causou 3,48 milhões de refugiados

Lusa
Lusa
O número de cidadãos ucranianos que fugiram do país devido à invasão russa alcançou os 3,48 milhões, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR), referindo que a maioria são mulheres, crianças e idosos.

No domingo, esta agência da ONU dava conta de 3.389.044 refugiados ucranianos e acrescentava ter ainda registado de mais 6,6 milhões de deslocados internos.

Segundo o ACNUR, a Polónia recebeu mais de dois milhões desses refugiados, enquanto centenas de milhares deixaram a Ucrânia para os países vizinhos Hungria, Eslováquia, Moldova, Roménia, Rússia e, em menor escala, para a Bielorrússia.


As crianças formam um terço do total de refugiados que chegaram ao Grão-Ducado
Cerca de 60% dos refugiados ucranianos que chegam ao Luxemburgo são mulheres
A informação foi avançada pelo ministro da Imigração, Jean Asselborn, em comissão parlamentar.

O fluxo de refugiados diminuiu ligeiramente nas últimas duas semanas, mas continua ininterrupto, tendo o ACNUR manifestado receio de que possa voltar a acelerar devido aos recentes ataques no oeste da Ucrânia, que até agora tinha permanecido relativamente intocado pelo conflito e era considerado como um refúgio pelos ucranianos do leste.

Entre refugiados e deslocados internos, o ACNUR prevê que cerca de 10 milhões de ucranianos, quase um quarto da população total do país, tenham sido forçados a deixar as suas casas, afirmou o alto-comissário da organização, Filippo Grandi.

De acordo com o responsável, cerca de 90% dos que fugiram são mulheres e crianças. Os homens entre os 18 e os 60 anos podem ser mobilizados para os combates, pelo que não podem deixar o país.

A UNICEF, agência das Nações Unidas para as crianças, disse que mais de 1,5 milhões de crianças estão entre os que fugiram para outros países e alertou que os riscos de tráfico e exploração de seres humanos que enfrentam são “reais e crescentes”.


O português Márcio Gomes, Patrick, Olena e a família desta que fugiu da Ucrânia: os pais, a irmã e as sobrinhas.
Foi buscar a família à Ucrânia. Agora, pede ajuda para cuidar de sete pessoas no Luxemburgo
Um francês que vive no Luxemburgo foi buscar a família da mulher à Ucrânia. Acolheu na sua casa os pais dela, a irmã e as duas sobrinhas. Agora são oito pessoas no mesmo apartamento, com apenas dois quartos.

Outra agência da ONU, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) também anunciou que, na quarta-feira, 162.000 cidadãos de países terceiros fugiram da Ucrânia para Estados vizinhos.

Antes do conflito, a Ucrânia tinha uma população de 37 milhões em áreas controladas pelo Governo, excluindo a Crimeia anexada pela Rússia em 2014 e as áreas separatistas pró-Rússia da região de Donbass.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Nos últimos seis dias cerca de 660.000 pessoas fugiram da Ucrânia para países vizinhos. Números estão a aumentar de forma "exponencial", disse esta terça-feira Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.
Vários refugiados da Ucrânia reunidos para apanhar um autocarro do posto fronteiriço de Medyka para Przemysl, no leste da Polónia, a 28 de fevereiro de 2022.