Escolha as suas informações

Invasão da Ucrânia. Pentágono destaca mais 7.000 soldados para a Alemanha
Mundo 25.02.2022 Do nosso arquivo online
Guerra

Invasão da Ucrânia. Pentágono destaca mais 7.000 soldados para a Alemanha

Estes soldados norte-americanos somam-se aos 5.000 soldados já enviados pelo Presidente Joe Biden para a Alemanha e para o flanco leste da NATO.
Guerra

Invasão da Ucrânia. Pentágono destaca mais 7.000 soldados para a Alemanha

Estes soldados norte-americanos somam-se aos 5.000 soldados já enviados pelo Presidente Joe Biden para a Alemanha e para o flanco leste da NATO.
Foto: AFP
Mundo 25.02.2022 Do nosso arquivo online
Guerra

Invasão da Ucrânia. Pentágono destaca mais 7.000 soldados para a Alemanha

Lusa
Lusa
O Pentágono vai enviar cerca de 7.000 soldados adicionais para a Alemanha, em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia, anunciou na quinta-feira um alto funcionário dos Estados Unidos em Washington.

O objetivo deste novo destacamento, que ocorrerá nos próximos dias, é “tranquilizar os aliados da NATO, dissuadir um ataque russo e estar preparado para apoiar as necessidades da região”, esclareceu este responsável.


Explosões em Kiev, EUA convencidos de cerco iminente a Kiev
A defesa antiaérea de Kiev abateu hoje um avião russo, que se despenhou junto a um edifício residencial na cidade, disse um assessor do Ministério do Interior ucraniano, Anton Guerashenko.

Estes soldados norte-americanos somam-se aos 5.000 soldados já enviados pelo Presidente Joe Biden para a Alemanha e para o flanco leste da NATO.

Além disso, Washington reposicionou mil soldados nos países bálticos e na Roménia, para a eventualidade de o conflito se espalhar para novas fronteiras.

Com os reforços anunciados na quinta-feira, os Estados Unidos ficarão com mais de 90 mil soldados na Europa.

O presidente norte-americano, Joe Biden, anunciou hoje que Estados Unidos e aliados vão reforçar sanções à Rússia e que o dispositivo da NATO na Alemanha será reforçado com tropas norte-americanas, após a invasão russa da Ucrânia.

"Putin escolheu esta guerra" na Ucrânia, e o Presidente russo e a Rússia "suportarão as consequências de novas sanções", disse Biden, numa declaração à comunicação social.


Ucranianos abandonam a capital após ataques das forças russas
ONU diz que 100 mil pessoas deixaram as suas casas no primeiro dia de invasão russa
Vários milhares cruzaram as fronteiras rumo a países vizinhos, segundo dados do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

A partir da Casa Branca, o Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) anunciou que irá sancionar empresas de tecnologia e oligarcas russos, impor limites às exportações e bloquear ativos de quatro grandes bancos da Rússia.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

“Por amor de Deus, esse homem não pode permanecer no poder”, disse Biden durante um discurso no castelo real de Varsóvia, num tom particularmente duro dirigido ao Presidente russo.
"Acabei de falar com o presidente americano (...). Devemos parar o agressor o mais rapidamente", escreveu Volodymyr Zelensky no Twitter, no final da conversa, que decorreu no sexto dia da invasão da Ucrânia pela Rússia.
O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.