Escolha as suas informações

Incompatibilidade: EUA deixam pacto mundial da ONU sobre migrantes e refugiados
Mundo 03.12.2017

Incompatibilidade: EUA deixam pacto mundial da ONU sobre migrantes e refugiados

A missão norte-americana na ONU informou o seu secretário-geral, o português António Guterres, que os Estados Unidos terminam a sua participação no pacto mundial sobre a migração

Incompatibilidade: EUA deixam pacto mundial da ONU sobre migrantes e refugiados

A missão norte-americana na ONU informou o seu secretário-geral, o português António Guterres, que os Estados Unidos terminam a sua participação no pacto mundial sobre a migração
AFP
Mundo 03.12.2017

Incompatibilidade: EUA deixam pacto mundial da ONU sobre migrantes e refugiados

O Presidente Donald Trump decidiu retirar os Estados Unidos do pacto da ONU que visa melhorar a gestão internacional de migrantes e refugiados, considerando-o “incompatível” com a sua política, anunciou no sábado a missão norte-americana na ONU.

O Presidente Donald Trump decidiu retirar os Estados Unidos do pacto da ONU que visa melhorar a gestão internacional de migrantes e refugiados, considerando-o “incompatível” com a sua política, anunciou no sábado a missão norte-americana na ONU.

“Hoje [sábado], a missão norte-americana na ONU informou o seu secretário-geral que os Estados Unidos terminaram a sua participação no pacto mundial sobre a migração”, indica um comunicado da missão norte-americana.

Em setembro de 2016, os 193 membros da Assembleia Geral da ONU adotaram com unanimidade a chamada “Declaração de Nova Iorque” para os refugiados e migrantes, que visa melhorar a gestão internacional (acolhimento, apoio no regresso, etc.) dos movimentos de refugiados e migrantes.

Com base nesta declaração, o alto comissariado para os refugiados foi mandatado para propor um pacto mundial sobre migrantes e refugiados no seu relatório anual à Assembleia Geral em 2018. Este pacto deve assentar sobre dois eixos: definição de um quadro de respostas a serem dadas e um programa de ação.

“A Declaração de Nova Iorque envolve várias disposições que são incompatíveis com as políticas norte-americanas de imigração e de refugiados e os princípios decretados pela Administração Trump em matéria de imigração”, sublinha o comunicado da missão dos Estados Unidos na ONU.

“Assim, o Presidente Trump decidiu terminar a participação dos Estados Unidos na preparação do pacto que visa obter um consenso na ONU em 2018”, acrescenta.

A ONU ainda não reagiu ao anúncio dos Estados Unidos.

A embaixadora do país na ONU, Nikki Haley afirmou que os Estados Unidos “têm orgulho no seu legado em matéria de imigração e na sua liderança no apoio às populações migrantes e refugiados em todo o mundo”.

“Nenhum país fez mais que os Estados Unidos e a nossa generosidade vai manter-se. Mas as nossas decisões sobre políticas de imigração devem sempre ser tomadas pelos norte-americanos e apenas pelos norte-americanos. Decidiremos qual é a melhor maneira de controlar as fronteiras e quem será autorizado a entrar no nosso país”, disse, em comunicado.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Juncker critica protecionismo em discurso na ONU
Presidente da Comissão Europeia criticou ainda o unilateralismo em mensagem com a Administração Trump como destinatária mais direta, defendendo a cooperação como forma de resolver os principais problemas mundiais.
Apesar da constetação popular: Trump vai mesmo ao Reino Unido
A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou hoje que o convite para o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, visitar este ano o Reino Unido “se mantém”, apesar dos protestos públicos contra as medidas migratórias impostas por Washington.
Asilo: Estados Unidos já acolheram 8.000 sírios
Os Estados Unidos acolheram este ano 8.000 refugiados sírios, na sua maioria mulheres e crianças, e poderá chegar até 10.000 em Outubro, mas também recusou a entrada a centenas, informaram hoje fontes oficiais.
"I'm not confident that we can trust the Russians or Vladimir Putin," Obama said