Escolha as suas informações

Impacto da poluição na saúde é três vezes maior que SIDA, tuberculose e malária juntas
Mundo 5 min. 05.12.2019 Do nosso arquivo online

Impacto da poluição na saúde é três vezes maior que SIDA, tuberculose e malária juntas

Impacto da poluição na saúde é três vezes maior que SIDA, tuberculose e malária juntas

Foto: Shutterstock
Mundo 5 min. 05.12.2019 Do nosso arquivo online

Impacto da poluição na saúde é três vezes maior que SIDA, tuberculose e malária juntas

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
O mais recente relatório da Agência Europeia do Ambiente lança um alerta de urgência e assinala mais de 400 mil mortes prematuras por ano, só na Europa, devido à poluição.

As doenças e mortes causadas pela poluição ambiental têm um impacto mundial "três vezes superior que a SIDA, a tuberculose e malária combinadas", sustenta o mais recente relatório da Agência Europeia do Ambiente - "O ambiente na Europa: estado e perspetivas 2020 (SOER 2020)" -, publicado esta quarta-feira, 4 de dezembro. 

"O peso global das doenças e mortes prematuras relacionadas com a poluição ambiental é três vezes superior ao da SIDA, tuberculose e malária combinadas", começa por dizer o documento, que traça um cenário preocupante no que se refere ao impacto destes fatores na saúde e bem-estar humanos. 

 O relatório lança um alerta de urgência para a Europa e para a forma como os europeus vivem, e respetivos efeitos na poluição e ffnas alterações climáticas, detalhando que a saúde dos europeus é afetada pela "exposição ao ar poluído, barulho, químicos perigosos e riscos crescentes das alterações climáticas". Contudo, as diferenças geográficas e económicas fazem com que esse impacto não seja igual em todo o continente. 

"Os riscos ambientais na saúde não afetam toda a gente da mesma maneira e há diferenças locais e regionais pronunciadas na Europa, em termos de vulnerabilidade social e exposição a riscos ambientais para a saúde", refere o documento, que destaca os "grupos socio-económicos dos estratos mais baixos" como os mais "negativamente afetados". A isso acresce o facto de as projeções de redução dos problemas ambientais com impacto na saúde e bem-estar, até 2030, serem incertas e, em muitos casos, insuficientes, dada a multiplicidade de factores em jogo. 

 "A persistência de problemas ambientais, como a perda de biodiversidade, degradação dos ecossistemas e alterações climáticas, entre-cruzadas com as atividades económicas e o atual nível de progresso, tornam [as medidas] insuficientes para cumprir as metas climáticas e energéticas em 2030 e em 2050". Tudo isso, sustenta o documento, traz, direta e indiretamente, danos à saúde humana. 

Fonte: Agência Europeia do Ambiente

 

Mais de 400 mil mortes só na Europa 

 O relatório salienta que "a exposição a partículas finas é responsável por cerca de 400 000 mortes prematuras na Europa". Mais uma vez, o documento mostra que o impato é diferenciado nas diferentes regiões do continente, "afetando desproporcionalmente os países da Europa Central e Oriental". 

 De acordo com o relatório existem ainda "problemas persistentes em algumas áreas e as perspetivas são preocupantes", uma vez que "quase 20% da população urbana da União Europeia vive [ainda] em zonas com concentrações de poluentes atmosféricos superiores a pelo menos um dos padrões de qualidade do ar". 

 A Europa do Sul, onde se inclui Portugal, particularmente vulnerável às alterações climáticas, com ondas de calor, secas prolongadas e incêndios florestais, enfrenta o risco de poder vir a ser uma das regiões onde a mortalidade mais pode aumentar. 

 Há também uma "preocupação crescente", no documento, com os produtos químicos perigosos e aos riscos que estes representam. 

No futuro, as perspetivas de redução dos riscos ambientais para a saúde seriam melhoradas com uma melhor integração das políticas de ambiente e saúde.

Como o Contacto noticiou em janeiro deste ano, o ar que se respira no Luxemburgo contém partículas finas libertadas por centrais termoelétricas de países vizinhos, que podem ser nocivas à saúde da população. 

Na altura, o Ministério da Saúde explicou que os riscos para a população, associados à libertação das partículas finas, "são principalmente respiratórios e cardiovasculares", remetendo para "estudos científicos que relacionam a poluição do ar com perturbações nas funções cognitivas, nas funções endócrinas (diabetes) e na evolução da gravidez (baixo peso no nascimento)" e com o "desenvolvimento de infeções agudas das vias respiratórias inferiores", sobretudo nas crianças. 

 Ambiente na Europa está em "ponto de viragem" 

O mais recente relatório da Agência Europeia do Ambiente apresenta-se como a "avaliação ambiental mais exaustiva alguma vez realizada na Europa". Não só por dar uma imagem rigorosa da situação da Europa no que diz respeito ao cumprimento dos objetivos de política para 2020 e 2030, como também por mostrar os objetivos e ambições a longo prazo para 2050 de uma transição para um futuro sustentável, de baixo carbono. 

 No que respeita a aspetos positivos, o documento assinala que a Europa realizou "progressos significativos nas últimas duas décadas em termos de mitigação das alterações climáticas", reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa, e em termos de combate à poluição do ar e da água. A par disso, começou a introduzir novas políticas para reduzir os resíduos de plástico e reforçar a adaptação às alterações climáticas, à economia circular e à bioeconomia. 

 Para a Agência Europeia do Ambiente, "a iniciativa da UE no domínio do financiamento sustentável é a primeira do género sobre o papel do setor financeiro na transição necessária para um futuro sustentável". 

 Apesar desses resultados, o relatório alerta que "a Europa não alcançará a sua visão de sustentabilidade de 'viver bem dentro dos limites do planeta' se continuar a promover o crescimento económico e a procurar gerir os impactes ambientais e sociais". 

O documento insta, por isso, os países, os dirigentes e os decisores políticos europeus "a utilizar a próxima década para ampliar e acelerar radicalmente as ações destinadas a colocar novamente a Europa no caminho certo para cumprir os seus objetivos e metas de política ambiental a médio e longo prazo, a fim de evitar alterações e danos irreversíveis". 

 "O ambiente da Europa está num ponto de viragem. Nos próximos dez anos, temos uma estreita janela de oportunidade para ampliar as medidas destinadas a proteger a natureza, reduzir os impactos das alterações climáticas e reduzir radicalmente o consumo de recursos naturais", conclui Hans Bruyninckx, diretor executivo da AEA. 


Notícias relacionadas

A má qualidade do ar no Luxemburgo provocou a morte prematura de 380 pessoas em 2014, de acordo com um relatório da Agência Europeia do Ambiente, hoje divulgado. Na origem dos óbitos estão as partículas em suspensão (ozono e dióxido de azoto), segundo os dados do relatório.