Escolha as suas informações

Imagens de teor sexual levam candidato de Macron a desistir da corrida à Câmara de Paris
Mundo 2 min. 14.02.2020

Imagens de teor sexual levam candidato de Macron a desistir da corrida à Câmara de Paris

Imagens de teor sexual levam candidato de Macron a desistir da corrida à Câmara de Paris

AFP
Mundo 2 min. 14.02.2020

Imagens de teor sexual levam candidato de Macron a desistir da corrida à Câmara de Paris

Benjamin Griveaux garante que há mais de um ano está, juntamente com a sua família, a ser sujeito a “declarações difamatórias, ataques anónimos, ao roubo de conversas privadas e a ameaças de morte”.

Vídeos de teor sexual partilhados na Internet esta quinta-feira levaram a que Benjamin Griveaux a retirasse a sua candidatura às eleições de Paris. O ex-candidato pelo partido Emmanuel Macron, A República em Marcha (LREM) e antigo porta-voz do governo, disse esta sexta-feira que “um site e as redes sociais lançaram um ataque vil” contra a sua vida privada e que a sua família “não merece o que está a acontecer”. O político acrescentou ainda que  “ninguém devia ser submetido a este tipo de abuso”.

Aquilo a que o L’Express descreveu como imagens “muito específicas” não foram comentadas nem confirmadas pelo político francês que garante que há mais de um ano está, juntamente com a sua família, a ser sujeito a  “declarações difamatórias, ataques anónimos, ao roubo de conversas privadas e a ameaças de morte”. Griveaux, que diz não se querer expor mais, nem à sua família, afirmou que “ontem chegou-se a outro patamar. Isto foi longe demais”.

As imagens que inundaram as redes sociais foram partilhadas através de uma publicação no blog do artista russo Piotr Pavlenski, que partilhou o vídeo acompanhado de mensagens de cariz sexual alegadamente escritas por Griveaux a uma mulher não identificada.

O antigo porta-voz do Executivo disse ainda à AFP que esta quinta-feira debateu a sua retirada com Emmanuel Macron, tendo o chefe de Estado afirmado que apoiaria "qualquer posição" que fosse tomada no sentido de proteger os familiares. 

Stanislas Guérini, delegado geral do LREM, elogiou Griveaux por "colocar o coletivo acima da sua pessoa" e anunciou a abertura de uma reflexão para continuar a campanha para as eleições que são já no mês de Março. Entre os nomes que soam, está a atual Ministra da Igualdade, Marlène Schiappa, e a Ministra da Saúde, Agnès Buzyn.

Anne Hidalgo, socialista e atual presidente da Câmara de Paris apelou ao “respeito pela vida privada das pessoas e das suas famílias também”. "Não é digno do debate democrático que poderíamos ter", lamentou.