Escolha as suas informações

IKEA acusado por bispos polacos de "doutrinação LGBT"
Mundo 08.07.2019

IKEA acusado por bispos polacos de "doutrinação LGBT"

IKEA acusado por bispos polacos de "doutrinação LGBT"

Foto: Reuters
Mundo 08.07.2019

IKEA acusado por bispos polacos de "doutrinação LGBT"

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Em causa está o despedimento de um funcionário por "declarações discriminatórias". O funcionário em questão tinha enviado num email interno ameaças de morte bíblicas aos homossexuais.

Bispos católicos polacos denunciaram a "doutrinação LGBT" levada a cargo pelo IKEA, por este ter despedido um funcionário que fez comentários homofóbicos. 

Segundo o Ikea, o funcionário, identificado como Tomasz K., fez "declarações discriminatórias" depois de circular um email interno sobre a política de tolerância da empresa, por ocasião do Dia Mundial contra a Homofobia e a Transfobia, a 17 de maio.  

Em emails e declarações, o homem citou passagens do Antigo Testamento, indicando que os homossexuais "morrerão sem remédio; o seu sangue cairá sobre eles", uma frase retirada do Livro Levítico da Bíblia.  Entretanto, Tomasz já apresentou um processo contra o gigante sueco e nega que as suas palavras tenham sido "uma ameaça ou insulto".  

"Do ponto de vista da lei, e acima de tudo de boa educação e bom senso, é inadmissível atacar o funcionário da Ikea que rejeitou a doutrinação LGBT no local de trabalho", escreveram os bispos, em comunicado. Chegaram ainda a elogiar Tomasz pela "sua valentia em professar e defender a fé na vida diária", uma atitude "digna de reconhecimento e exemplar".  

O próprio  Governo polaco tomou uma posição pública sobre o caso. "Considero discriminação e violação da liberdade de consciência e religião", disse Marcin Romanovsky, o vice-ministro da Justiça. 

O Ikea já veio a público afirmar que as declarações do seu ex-funcionário poderiam "ofender a dignidade dos membros da comunidade LGBT" (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais), quando a política do grupo "não tolera discriminação e atitudes de exclusão". 



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.