Escolha as suas informações

Homem que matou dois polícias na Alemanha acusado de homicídio três meses depois
Mundo 3 min. 11.05.2022
Crime

Homem que matou dois polícias na Alemanha acusado de homicídio três meses depois

Os dois polícias, uma mulher e um homem, de 24 e 29 anos, respetivamente, foram assassinados a tiro enquanto faziam um controlo de trânsito, na madrugada de 31 de janeiro.
Crime

Homem que matou dois polícias na Alemanha acusado de homicídio três meses depois

Os dois polícias, uma mulher e um homem, de 24 e 29 anos, respetivamente, foram assassinados a tiro enquanto faziam um controlo de trânsito, na madrugada de 31 de janeiro.
Foto: Harald Tittel/dpa
Mundo 3 min. 11.05.2022
Crime

Homem que matou dois polícias na Alemanha acusado de homicídio três meses depois

Tiago RODRIGUES
Tiago RODRIGUES
Andreas Johannes Schmitt, o homem de 38 anos responsável pela morte de dois polícias, uma mulher e um homem, durante uma operação de trânsito no estado alemão da Renânia-Palatinado, na madrugada do dia 31 de janeiro, foi acusado de homicídio pelo Ministério Público de Kaiserslautern, três meses após o crime.

Os dois polícias, uma mulher e um homem, de 24 e 29 anos, respetivamente, foram assassinados a tiro enquanto faziam um controlo de trânsito, às 3h20 do dia 31 de janeiro, numa estrada no estado da Renânia-Palatinado, vizinho do Sarre, junto à localidade de Ulmet.

A agente era ainda estagiária da polícia e estava quase a terminar a sua formação. O colega e seu superior era superintendente-chefe.

Os polícias contactaram a central por rádio para comunicar que iriam verificar um automóvel, no qual encontraram, na mala, um animal de caça morto. A mulher não conseguiu usar a arma de fogo, tendo sido baleada na cabeça e morrido no local. 


Homicídio de polícias foi como "execução". Agentes tinham 24 e 29 anos
A mulher polícia, que ainda estava na academia, não conseguiu usar a arma de fogo, segundo as investigações, tendo sido baleada na cabeça e morrido no local. O seu colega de patrulha foi ainda capaz de comunicar o óbito pelo rádio, antes de também ser baleado.

O colega foi capaz de comunicar o óbito pelo rádio, antes de ser também baleado. Foi atingido quatro vezes. O último tiro, também na cabeça, foi fatal.

Dois suspeitos foram detidos no mesmo dia em Sulzbach, a cerca de 37 quilómetros do local do crime. O principal suspeito, Andreas Johannes Schmitt, de 38 anos, já tinha sido acusado de caça furtiva e de atropelamento e fuga, e o outro homem, de 33 anos, tinha sido acusado de fraude, mas nenhum deles fora condenado.

Na terça-feira, o Ministério Público acusou Andreas Johannes Schmitt de tentativa de homicídio e de violência física perigosa, bem como de dois homicídios. De acordo com a acusação, é também culpado de resistência e ataque a agentes da lei, bem como de caça furtiva, que terá sido a razão dos homicídios.

Segundo a AFP, a venda de animais era o meio de subsistência de Schmitt na altura do crime. O homem de 38 anos terá matado os agentes da polícia por ganância, para que a sua atividade de caça furtiva pudesse continuar. Segundo a investigação do Ministério Público, não tinha licença de caça nem de porte de arma.

Mulher de Schmitt também está a ser investigada

O outro homem, de 33 anos, também foi originalmente suspeito de homicídio. No entanto, o Ministério Público desistiu do processo contra ele e foi libertado da prisão. É acusado, tal como Schmitt, de caça furtiva comercial conjunta na noite do crime.


Quem eram os polícias abatidos na Alemanha?
"Desde ontem de manhã que uma nova era está em vigor na nossa sede em Kaiserslautern", disse Michael Denne, o chefe da polícia.

O Ministério Público de Saarbrücken está a investigar outras alegações de caça furtiva. Além disso, o jovem de 33 anos responsabilizou-se pela acusação, porque ajudou Schmitt a tentar encobrir o seu rasto.

De acordo com um relatório psiquiátrico preliminar, ambos são considerados culpados. Segundo a acusação, a mulher de Schmitt comprou a arma em meados de 2021. O Ministério Público em Kaiserslautern está a investigar a mulher por homicídio negligente e violação da lei das armas. O casal vive junto.

Os investigadores apreenderam um grande arsenal de armas dos suspeitos. De acordo com as autoridades, a polícia encontrou cinco pistolas de mão, uma espingarda, dez outras armas longas, uma besta, um silenciador e munições durante uma busca domiciliária. Os investigadores supõem que o suspeito de 38 anos de idade era o proprietário destas armas. Duas outras armas de cano longo foram descobertas na casa do segundo suspeito.   


Duplo homicídio de polícias. Investigação avança motivo para crime que está a chocar a Alemanha
A polícia encontrou cinco pistolas de mão, uma espingarda, dez outras armas longas, uma besta, um silenciador e munições durante uma busca domiciliária em casa do principal suspeito.

O crime causou grande consternação na Alemanha e mereceu a condenação de todo o espetro parlamentar, tanto da coligação de Olaf Scholz como dos principais partidos da oposição. A ministra do Interior, Nancy Faeser, definiu a morte dos polícias como uma "execução".

No início de maio, o Ministério Público de Koblenz também apresentou queixa contra um homem de 55 anos que terá apelado ao assassínio de polícias na Internet pouco depois do duplo homicídio.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas