Escolha as suas informações

Homem filma máfia à socapa e ajuda a prender membros da organização
Mundo 4 min. 16.10.2020

Homem filma máfia à socapa e ajuda a prender membros da organização

Homem filma máfia à socapa e ajuda a prender membros da organização

DR
Mundo 4 min. 16.10.2020

Homem filma máfia à socapa e ajuda a prender membros da organização

Giuseppe Piraino, empreiteiro, é uma das 13 alegadas vítimas de extorsão mafiosa que se manifestou para denunciar os alegados criminosos.

Na Sicilia, em Itália, um empresário filmou à socapa um alegado extorsionista e resistiu aos seus pedidos de dinheiro mostrando-lhe uma foto de dois heróis anti-mafia assassinados por mãos da sociedade secreta. 

Na segunda-feira, os 13 testemunhos levaram à detenção de 20 alegados membros da máfia siciliana em Palermo. Foram acusados de associação mafiosa, conspiração para o tráfico de drogas, tentativa de homicídio e extorsão, e foram transferidos para a prisão, aguardando julgamento. Os advogados dos suspeitos não comentaram as acusações. 

A maioria dos 20 homens detidos faz alegadamente parte de um dos clãs mafiosos mais ativos da Sicília, o clã Borgo Vecchio em Palermo, incluindo Angelo Monti, um mafioso que, segundo os procuradores, era o chefe interino da família do crime. 


Os carabinieri (a polícia italiana) patrulham as ruas de Roma
Máfia distribui comida a italianos afetados pelo coronavírus
Autoridades estão preocupadas com o aproveitamento da crise pandémica junto dos mais probres, por grupos de crime organizado

Monti foi libertado da prisão há três anos e, de acordo com os procuradores sicilianos, regressou ao seu papel principal no clã. Não é a primeira vez que Piraino colabora com a polícia para mandar prender os seus alegados extorsionistas depois de os ter filmado com uma câmara oculta. 

"Quando me chamam para um encontro, fico ansioso, as minhas pernas tremem, a adrenalina sobe", disse Piraino. "É medo". Eu não sou o Homem de Ferro. Mas este medo não é nada comparado com o terror com que os empresários que são vítimas do dinheiro de proteção e não se rebelam contra a máfia são obrigados a viver todos os dias".  

"Durante décadas, os meus colegas empresários e comerciantes sicilianos sofreram por causa destes [homens]. Mas agora chega", disse Piraino ao The Guardian.

A polícia investigou mais de 20 episódios de extorsão, 13 dos quais foram descobertos depois de alegadas vítimas terem falado, disseram os agentes. 

Um dos alegados executores da máfia, um "cobrador de dívidas" do clã, foi preso graças ao testemunho de Piraino, que o filmou com uma câmara escondida durante um pedido de dinheiro de proteção, acto conhecido como pizzo. No vídeo divulgado por Piraino, o alegado extorsionista, Salvatore Guarino, pode ser visto aproximando-se de Piraino e propondo-se beber um café expresso com ele no bar. 

Piraino - a quem tinha sido previamente dito que alguém o queria conhecer e já se mostrava aparentemente pronto para o confronto - recusa e pede a Guarino que vá direto ao assunto. "Esquece o café", disse o empresário. "O que tem para me dizer?" "Quero pedir-lhe um pequeno presente, porque, todos os anos, organizamos aqui uma festa". 

Os pedidos de pizzo da máfia raramente são explícitos, mas são frequentemente disfarçados com "palavras de código". Os pedidos de dinheiro para protecção são frequentemente formulados como uma contribuição para a organização de festas religiosas no bairro ou como uma contribuição para as famílias dos homens locais que se encontram na prisão.

No vídeo divulgado pelo The Guardian, ouve-se o diálogo "dê-me 500 euros para a festa", diz Guarino. "Para que possas fazer o teu trabalho com calma e ninguém te incomode". Nessa altura, Piraino mostra-lhe alguns documentos que tem na mão, contendo uma lista de homens mortos pela máfia e a foto de Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, os dois juízes sicilianos mortos, em 1992, pela organização, que se tornaram um símbolo da luta contra a máfia. 

"Estes homens são chamados Falcone e Borsellino", disse Piraino. "Aqueles que estão em silêncio e curvam a cabeça morrem sempre que o fazem, mas aqueles que falam e andam de cabeça erguida morrem apenas uma vez", disse o empresário, repetindo uma citação escrita sob a fotografia. "Qual é a moral da história?" perguntou Guarino.

"A moral da história", respondeu Piraino, "é que isto é a máfia e estas pessoas morreram - por causa da máfia. E devem sentir-se humilhados por aquilo que me estão a pedir". "Guarde estas fotos e esta lista de homens mortos pela máfia", acrescentou Piraino. "Guarde-as e estude-as". "Mas eu pedi-vos dinheiro para a festa", respondeu Guarino. "Vou mostrar-vos a festa", respondeu Piraino, antes de partir. 

"Eu queria humilhá-los", disse Piraino ao The Guardian. "Porque, durante décadas, eles humilharam milhares de empresários que tinham medo de os denunciar, porque temiam pelas suas vidas".

O vídeo apesar de filmado a 28 de maio, foi lançado na segunda-feira. Piraino entregou-o à polícia pouco depois de o ter filmado. Guarino foi preso na segunda-feira. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.