Escolha as suas informações

Haddad chama "chefe de milícia" a Bolsonaro
Mundo 3 min. 22.10.2018 Do nosso arquivo online

Haddad chama "chefe de milícia" a Bolsonaro

Haddad chama "chefe de milícia" a Bolsonaro

Foto: AFP
Mundo 3 min. 22.10.2018 Do nosso arquivo online

Haddad chama "chefe de milícia" a Bolsonaro

Candidato do PT às presidenciais no Brasil considerou ainda que os filhos do rival são "bandidos". "Têm apenas ódio no coração", acrescentou.

O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) às eleições presidenciais do Brasil, Fernando Haddad, acusou hoje o seu adversário na segunda volta, o ultraconservador Jair Bolsonaro, de ser um “chefe de milícia” e os seus filhos uns “bandidos”.

“Essas pessoas são uma milícia, não é um candidato a presidente, é um chefe de milícia, os seus filhos são milicianos, são bandidos, é gente de quinta categoria, essa é a verdade”, afirmou Haddad, numa conferência de imprensa em São Luís, no estado do Maranhão, no Nordeste no Brasil, citado pela agência EFE.

Repetindo que “ele (Bolsonaro) é um chefe de uma milícia”, Haddad defendeu que só “o medo de quem tem discernimento cresce” e quem “está anestesiado não vê o perigo” que, para o candidato do PT, representa o adversário, um nostálgico da ditadura militar (1964-1985).

Antes destas declarações, num comício com simpatizantes, Haddad assegurou que, “ganhando um ponto” percentual “por dia” nas sondagens de intenção de voto, irá vencer Bolsonaro nas eleições do próximo domingo.

Num outro comício, na quinta-feira, em Fortaleza, no estado do Ceará, também no Nordeste, o candidato do PT tinha apelidado Bolsonaro de “uma aberração, que só fala sobre a violência e ofende os nordestinos, as mulheres e os negros".

"Há 28 anos que [Bolsonaro] está no Congresso como deputado federal e só vomita barbaridades", disse na altura Haddad, acrescentando que o seu adversário “tem apenas ódio no seu coração”.

De acordo com a sondagem mais recente, divulgada na quinta-feira, Bolsonaro reúne 59% das intenções de voto, contra 41% de Haddad.

O sucessor de Michel Temer como 38.º Presidente da República Federativa do Brasil será escolhido na segunda volta, marcada para o próximo domingo. Jair Bolsonaro (PSL) venceu a primeira volta, a 7 de outubro, com 46,7% dos votos e Fernando Haddad obteve 28,37% dos votos.

Jair Bolsonaro, de 63 anos, é criticado por adotar ideais da extrema-direita e por já ter manifestado admiração pela ditadura militar que governou o Brasil entre os anos de 1964 e 1985.

A candidatura de Jair Bolsonaro também desperta receio porque ao longo da carreira, e também da campanha eleitoral, o político fez declarações públicas consideradas machistas, racistas, homofóbicas e de apologia à violência.

Fernando Haddad, de 55 anos, ex-ministro da Educação e antigo presidente da Câmara de São Paulo, substituiu Lula da Silva como candidato do PT às eleições presidenciais.

A candidatura do ex-presidente do Brasil Lula da Silva, que cumpre na prisão uma pena de 12 anos e um mês por corrupção, foi registada pelo PT e depois vetada pelo Tribunal Superior Eleitoral, com base na lei que proíbe alguém condenado em duas instâncias de concorrer a qualquer cargo eleitoral.

Lula da Silva foi condenado em duas instâncias judiciais, num processo em que foi acusado de ter recebido um apartamento de luxo na cidade do Guarujá da construtora OAS, em troca de favorecer contratos da empresa com a estatal petrolífera Petrobras.

Como Lula da Silva, também Fernando Haddad não escapou à nuvem de corrupção.

No início de setembro, o ex-governante foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e associação criminosa a propósito de uma investigação que envolve a UTC Engenharia, empresa de construção envolvida na Operação Lava Jato.

Segundo a procuradoria, Ricardo Pessoa, dono da construtora, teria transferido em 2012, sem declarar, 2,6 milhões de reais (cerca de 560 mil euros), para a campanha do então candidato a prefeito de São Paulo.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os brasileiros elegeram o seu próximo Presidente da República, Jair Bolsonaro, numa disputa entre a esquerda com Fernando Haddad e a extrema-direita com Jair Bolsonaro. Uma votação que dividiu famílias portuguesas no Brasil, como a de Inês Patrício e a do seu pai, Rui Patrício, último ministro dos Negócios Estrangeiros português do regime fascista, que entrou para o governo pelas mãos de Salazar.
O juiz Sérgio Moro que instruiu o processo de Lula e depois o colocou na prisão em tempo recorde, impedindo-o de poder concorrer às eleições, desejou uma excelente presidência ao eleito da extrema-direita. Recorde-se que o procurador que lançou a Lava Jato, Rodrigo Janot, e o homem que teve à frente do processo Mensalão, que condenou dirigentes do PT, Joaquim Barbosa apoiaram nos últimos dias o candidato do PT, Haddad.
Apesar do seu apoio público à tortura e à ditadura militar, o candidato de extrema-direita conta com a cumplicidade dos partidos de centro que governam o Brasil, pois estes preferem um candidato que promete metralhar os opositores a terem novo governo do PT.
No penúltimo debate televisivo com oito dos 13 candidatos às presidenciais, Bolsonaro e Haddad, que aparecem em empate técnico numa sondagem divulgada ontem, foram os principais alvos das críticas. Bolsonaro esteve ausente por motivos de saúde e Haddad defendeu-se como pôde.
Os candidatos Álvaro Dias (Podemos), Fernando Haddad (PT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) durante o debate.
A última sondagem no Brasil revela que o candidato da extrema-direita perde com todos na segunda volta e que 33% dos apoiantes de Lula prontificam-se a seguir as indicações de voto deste, na semana em que o PT formaliza Haddad como candidato.