Escolha as suas informações

Guerra na Ucrânia perturbou educação de cinco milhões de crianças
Mundo 4 min. 24.01.2023
Unicef

Guerra na Ucrânia perturbou educação de cinco milhões de crianças

Imagem de arquivo
Unicef

Guerra na Ucrânia perturbou educação de cinco milhões de crianças

Imagem de arquivo
Foto: AFP
Mundo 4 min. 24.01.2023
Unicef

Guerra na Ucrânia perturbou educação de cinco milhões de crianças

Lusa
Lusa
"A falta de aprendizagem pode ter consequências para toda a vida", defende a diretora da Unicef, Afshan Khan.

A UNICEF alertou esta terça-feira de que 11 meses de guerra russa na Ucrânia perturbaram a educação de mais de cinco milhões de crianças, apelando a mais "apoio para assegurar oportunidades de aprendizagem" no país e nos de acolhimento.

Na data em que se assinala o Dia Internacional da Educação, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) veio chamar a atenção para a importância de "um maior apoio internacional para garantir que as crianças não ficam mais para trás", recordando que "o impacto de 11 meses de conflito veio agravar os dois anos de aprendizagem perdidos devido à pandemia de covid-19" e as consequências de "mais de oito anos de guerra para as crianças do leste da Ucrânia".


Escola Notre-Dame Sainte Sophie disponibiliza salas para crianças refugiadas
Em causa estão as chamadas ‘turmas de acolhimento especializadas’.

"As escolas e outras entidades de educação de ensino pré-escolar proporcionam um sentido essencial de rotina e segurança às crianças, e a falta de aprendizagem pode ter consequências para toda a vida", sublinhou Afshan Khan, diretora regional da UNICEF para a Europa e Ásia Central, citada no comunicado da organização.

"Não há botão de pausa. Simplesmente não é uma opção adiar a educação das crianças e voltar a ela quando outras prioridades tenham sido abordadas, sem arriscar o futuro de uma geração inteira", insistiu.

Segundo a agência especializada da ONU, "o uso continuado de armas explosivas - inclusive em zonas habitadas - significou que milhares de escolas, pré-escolas e outras instalações de educação em todo o país foram danificadas ou destruídas" e, ao mesmo tempo, "muitos pais e prestadores de cuidados estão relutantes em enviar crianças para a escola devido a preocupações de segurança".

No comunicado, a UNICEF precisa que "dentro da Ucrânia, está a trabalhar com o Governo para ajudar a levar as crianças de volta ao ensino" - nas salas de aula, quando estas são consideradas seguras, ou através de alternativas online ou na comunidade, "se a aprendizagem presencial não for possível".

A organização indica que, até há pouco tempo, "mais de 1,9 milhões de crianças tinham acesso a oportunidades de aprendizagem online e 1,3 milhões de crianças estavam inscritas num sistema híbrido de aulas presenciais e online", mas os recentes bombardeamentos de centrais elétricas e outras infraestruturas energéticas "causaram apagões generalizados e deixaram quase todas as crianças na Ucrânia sem acesso permanente a eletricidade, o que significa que mesmo assistir a aulas virtuais é um desafio constante".


Escolas luxemburguesas já acolheram 1.273 crianças ucranianas
Alunos e crianças ucranianas também vão ser integradas nas atividades de verão, segundo o ministro da Educação.

Fora da Ucrânia, prossegue a UNICEF, a situação "é igualmente preocupante, estimando-se que duas em cada três crianças refugiadas ucranianas não estejam atualmente inscritas no sistema educativo do país de acolhimento".

De acordo com a agência da ONU, vários fatores contribuem para este cenário, entre os quais estruturas educativas sobrecarregadas e "o facto de, no início da crise e durante todo o verão, muitas famílias refugiadas terem optado pela aprendizagem online, em vez de frequentarem escolas locais, porque esperavam poder regressar rapidamente a casa".

No interior da Ucrânia, a organização apela para o "fim dos ataques às instalações de educação e outras estruturas civis, incluindo as infraestruturas energéticas, de que dependem as crianças e as famílias".

Nos países de acolhimento de refugiados, a UNICEF apela para que se dê prioridade à "integração das crianças refugiadas ucranianas nos sistemas de educação nacionais em todos os níveis de ensino, especialmente na educação infantil e no ensino primário - com professores qualificados, materiais de aprendizagem e espaços disponíveis para apoiar a sua aprendizagem presencial, desenvolvimento e bem-estar", lê-se ainda na nota.

"É importante que as autoridades relevantes identifiquem e ultrapassem as barreiras regulamentares e administrativas que impedem o acesso das crianças à educação formal a todos os níveis, e forneçam informação clara e acessível às famílias refugiadas", frisou a organização, acrescentando que "quando o acesso ao sistema educativo não pode ser imediatamente assegurado, a UNICEF apela para a disponibilização de múltiplos percursos de aprendizagem, especialmente para as crianças em idade de frequência do ensino secundário".

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas – 6,5 milhões de deslocados internos e quase oito milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas