Escolha as suas informações

Guardas vistos a usar "chicotes" em migrantes na fronteira do Texas
Mundo 2 min. 21.09.2021
EUA

Guardas vistos a usar "chicotes" em migrantes na fronteira do Texas

EUA

Guardas vistos a usar "chicotes" em migrantes na fronteira do Texas

Foto: AFP
Mundo 2 min. 21.09.2021
EUA

Guardas vistos a usar "chicotes" em migrantes na fronteira do Texas

Redação
Redação
Casa Branca já condenou as cenas de violência contra migrantes haitianos expostos em fotografias divulgadas nas redes sociais.

A Casa Branca criticou esta segunda-feira o uso de "rédeas de cavalo para ameaçar os migrantes haitianos" que tentam entrar nos EUA depois de terem circulado imagens nas redes sociais. Nas imagens vê-se um guarda de fronteira dos EUA a cavalo a chicotear migrantes perto de um campo ribeirinho no Texas. 

Segundo a agência Reuters, a maioria dos migrantes haitianos nos últimos dias tem atravessado de um lado para o outro entre Ciudad Acuna, no México, e o acampamento espalhado na fronteira, em Del Rio, (na fronteira com os EUA) para comprar comida e água, que escasseava no lado americano. 

"Este tratamento que estão a dar é racismo, devido à cor da nossa pele", disse Maxon Prudhomme, um migrante haitiano à Reuters nas margens do Rio Grande, no México.  

As testemunhas citadas pela Reuters contaram ter visto oficiais montados com chapéus de cowboy a bloquear os caminhos dos migrantes, e um oficial a utilizar uma espécie de chicote perto do rosto de um migrante. Um vídeo que expõe um guarda de fronteira aparentemente a ameaçar os migrantes com cordas foi partilhado nas redes sociais. 

Foto: AFP

"Não creio que alguém que visse essa filmagem achasse aceitável ou apropriado", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, aos jornalistas. "Não tenho o contexto completo. Não consigo imaginar que contexto tornaria isso apropriado", acrescentou citado pela Reuters.

As imagens foram analisadas por alguns media americanos como sendo um eco das injustiças históricas sofridas pelo povo afroamericano nos Estados Unidos. O Chefe da Patrulha de Fronteiras dos EUA, Raul Ortiz, afirmou que o incidente estava a ser investigado para garantir que não houvesse uma resposta "inaceitável" por parte das forças da lei.


Sismo. Luxemburgo reforça ajuda ao Haiti
Grão-Ducado enviou dois bombeiros do grupo de intervenção humanitária da CGDIS. Equipa será responsável pela recuperação dos serviços de telecomunicações na região afetada pelo terramoto de 14 de agosto.

Raul Ortiz disse ainda que os agentes estavam a operar num ambiente difícil, tentando garantir a segurança dos migrantes enquanto procuravam potenciais contrabandistas. O Secretário do Departamento de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, disse que as longas rédeas são utilizadas pelos oficiais para "assegurar o controlo do cavalo". "Mas vamos investigar os factos", assegurou durante uma conferência de imprensa em Del Rio.

Foto: AFP

O campo debaixo de uma ponte que atravessa o Rio Grande tornou-se o último ponto de preocupação para as autoridades norte-americanas que procuram conter o fluxo de migrantes. Milhares de pessoas tentam fugir da violência dos gangues, da pobreza extrema e de catástrofes naturais nos seus países de origem. 

Segundo a Reuters, o acampamento foi um lar temporário para mais de 12.000 migrantes, embora o governador do Texas, Greg Abbott, tenha admitido que o número chegou a atingir os 16.000 no fim de semana passado. 

Esta segunda-feira, quando as temperaturas subiram para 40ºC os migrantes queixaram-se da contínua escassez de alimentos e água no campo. Alguns dos que regressaram aos EUA foram vistos a equilibrar grandes sacos de gelo à cabeça enquanto percorriam a água. Durante o dia, centenas de migrantes tinham regressado ao lado do México, incluindo famílias com crianças pequenas que carregavam mochilas, malas e pertences em sacos de plástico por cima das cabeças. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O enviado dos Estados Unidos para o Haiti, Daniel Foote, pediu demissão do cargo e denunciou as expulsões "desumanas" feita pelo Governo norte-americano de milhares de migrantes haitianos, cujo país é atingido por uma crescente insegurança e gangues armados.
Migrantes do Haiti
“Eles chegaram de forma ilegal”, disse o chefe de Estado norte-americano em declarações aos jornalistas nos jardins da Casa Branca, afirmando que a polícia dos serviços de imigração “vai enviar (os imigrantes clandestinos) de volta” para os respetivos países.