Escolha as suas informações

Guaidó pede a militares que detenham os coletivos armados que atacaram opositores
Mundo 2 min. 04.03.2019

Guaidó pede a militares que detenham os coletivos armados que atacaram opositores

Guaidó pede a militares que detenham os coletivos armados que atacaram opositores

Foto: AFP
Mundo 2 min. 04.03.2019

Guaidó pede a militares que detenham os coletivos armados que atacaram opositores

"Ser cúmplice por omissão é um delito que lesa a humanidade", afirmou Guaidó que regressou esta segunda-feira à Venezuela sob a ameaça de ser detido pelas forças de seguranças venezuelanas.

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, pediu esta segunda-feira às Forças Armadas venezuelanas que detenham os coletivos armados, afetos ao regime, que atacaram recentemente a oposição. "Senhores das Forças Armadas, devem deter os coletivos armados (...) Ser cúmplice por omissão é um delito que lesa a humanidade. Peço-lhes que detenham os coletivos que atuaram no dia 23 de fevereiro", disse, em alusão aos acontecimentos ocorridos nas fronteiras da Venezuela com a Colômbia e o Brasil.


Militares na Venezuela dispersam manifestantes na fronteira com a Colômbia com gás lacrimogéneo
Militares da Guarda Nacional da Venezuela lançaram hoje gás lacrimogéneo sobre os manifestantes que se concentravam junto à ponte fronteiriça com a Colômbia, segundo a agência de notícias France-Presse (AFP).

Juan Guaidó falava para milhares de simpatizantes que se concentraram na Praça Alfredo Sadel de Las Mercedes (leste de Caracas), à espera do regresso do líder da oposição de um périplo pela Colômbia, Brasil, Paraguai e Brasil. "Atenção senhores das Forças Armadas, depois das ameaças [de detenção], alguém não as cumpriu. Muitos [militares] não cumpriram", disse.

Segundo Juan Guaidó a "cadeia de comando na Venezuela está quebrada", porque alguém que "se quer disfarçar com uma faixa [presidencial]" e mesmo estando em Carnaval "não é Presidente" da República, salientou, referindo-se ao Presidente Nicolás Maduro.

Os Estados Unidos prometeram esta segunda-feira uma “reação rápida” em caso de “ameaças, violência ou intimidação” visando o autoproclamado Presidente interino venezuelano Juan Guaidó, reconhecido por Washington, no seu regresso a Caracas. “Os Estados Unidos atribuem a maior importância ao regresso à Venezuela de Juan Guaidó em total segurança”, avisou o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, na rede social Twitter.

No passado dia 23 de fevereiro, pelo menos quatro pessoas morreram e centenas ficaram feridas em confrontos ocorridos nas zonas de fronteira da Venezuela com a Colômbia e o Brasil, quando militares e polícias impediram a entrada de ajuda humanitária internacional. O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, chegou esta segunda-feira à tarde ao aeroporto internacional de Caracas, onde foi recebido por uma multidão composta por apoiantes e embaixadores de vários países europeus e latino-americanos, segundo imagens transmitidas em direto.


Desculpem o espetáculo da ajuda humanitária, a guerra vai começar
O líder da oposição pediu que a comunidade internacional não negasse à partida uma invasão da Venezuela e o vice-presidente dos EUA anuiu que era hora de agir. Há uns dias, Mike Pence avisou também que havia combatentes do Hezbollah na Venezuela e que os americanos tinham de se proteger

Guaidó, reconhecido Presidente interino venezuelano por cerca de 50 países, regressou à Venezuela após um périplo de uma semana por vários países daquela região e sob a ameaça de ser detido pelas forças de seguranças venezuelanas. O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) proibiu, em finais de janeiro, o autoproclamado Presidente interino venezuelano de sair do país.

A crise política na Venezuela agravou-se no dia 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro. Guaidó contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.


Cerca de 3,4 milhões de pessoas saíram da Venezuela desde o início da crise
À volta de 300 mil portugueses ou lusodescendentes vivem atualmente na Venezuela.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes. Na Venezuela residem cerca de 300 mil portugueses ou lusodescendentes. Os mais recentes dados das Nações Unidas estimam que o número atual de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo situa-se nos 3,4 milhões.

Só no ano passado, em média, cerca de 5.000 pessoas terão deixado diariamente a Venezuela para procurar proteção ou melhores condições de vida.

Lusa


Notícias relacionadas