Escolha as suas informações

Grupo de Contacto reconhece Guaidó como presidente do parlamento venezuelano
Mundo 2 min. 09.01.2020 Do nosso arquivo online

Grupo de Contacto reconhece Guaidó como presidente do parlamento venezuelano

Grupo de Contacto reconhece Guaidó como presidente do parlamento venezuelano

Foto: AFP
Mundo 2 min. 09.01.2020 Do nosso arquivo online

Grupo de Contacto reconhece Guaidó como presidente do parlamento venezuelano

Lusa
Lusa
O grupo integra países europeus, incluindo Portugal, e latino-americanos. O Uruguai, membro do grupo, não aderiu a esta declaração.

O Grupo Internacional de Contacto (GIC) para a Venezuela reconheceu o líder da oposição Juan Guaidó como presidente do parlamento, considerando que a eleição do seu rival Luís Parra não é legítima, em comunicado publicado hoje em Bruxelas.

"Apoiamos Juan Guaidó como presidente da Assembleia Nacional", declarou o GIC, que "reafirma (o seu) compromisso de apoiar ativamente os esforços sinceros para uma solução pacífica e democrática da crise na Venezuela".

O grupo acrescentou que a eleição de Luís Parra "não pode ser considerada legítima ou democrática".

O GIC integra países europeus, incluindo Portugal, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e Itália e latino-americanos, Bolívia, Equador, Costa Rica e Panamá. O Uruguai, membro do grupo, não aderiu a esta declaração.

O grupo expressou a sua "profunda preocupação com as ações contra o funcionamento democrático e constitucional da Assembleia Nacional".

O parlamento venezuelano tinha prevista a eleição no domingo da sua nova direção, votação da qual deveria resultar a reeleição de Guaidó, principal opositor de Maduro, mas o deputado foi retido durante horas pela polícia e agredido à porta da Assembleia Nacional.

Ao mesmo tempo, no interior, em plenário, os deputados apoiantes do chefe de Estado venezuelano elegiam Luís Parra, que contou também com o apoio de uma minoria de parlamentares da oposição suspeitos de corrupção.

Apesar de um forte dispositivo da polícia militarizada junto do edifício da Assembleia Nacional, Guaidó conseguiu na terça-feira entrar à força nas instalações do parlamento venezuelano, depois de ter sido impedido no domingo.

Nesse mesmo dia, a maioria opositora no parlamento venezuelano voltou a investir Guaidó como presidente interino da Venezuela, durante uma sessão plenária.

"Esses acontecimentos, assim como a contínua intimidação e represálias contra membros da Assembleia Nacional, democraticamente eleitos pelo povo venezuelano, agravam ainda mais a crise, criando mais obstáculos ao retorno pacífico à democracia e ao Estado de direito", salientou o GIC.

Juan Guaidó autoproclamou-se Presidente interino venezuelano em janeiro de 2019 e foi reconhecido por mais de 50 países.

A Venezuela, país que conta com cerca de 32 milhões de habitantes e com uma significativa comunidade de portugueses e de lusodescendentes, enfrenta um clima de grande instabilidade política, situação que se soma a uma grave crise económica e social.


Notícias relacionadas

Acusado de corrupção, Juan Guaidó viu deputados da oposição elegerem Luís Parra como presidente do órgão venezuelano. Os aliados de Juan Guaidó acusam agora os opositores que assumiram a direção da Assembleia Nacional de corrupção e de terem negócios com o governo de Nicolás Maduro.