Dossier

A ilha Reunião é um paraíso em ameaça

Reunião: à descoberta de traços portugueses e tesouros ameaçados

A ilha Reunião é um paraíso em ameaça
Foi há pouco mais de 500 anos: navegadores portugueses, os primeiros seres humanos a pisar a ilha da Reunião, descobriram um tesouro natural de cortar o fôlego. Escravos africanos e colonos franceses, trabalhadores indianos e chineses, piratas e deportados fariam aquele que é hoje um ponto de encontro único de culturas e religiões. À descoberta de traços lusos, viagem até um paraíso ameaçado.
Daniel Silva já viajou por mais de 100 países

Daniel Silva, o português de Ettelbruck que já visitou mais de 100 países

Daniel Silva já viajou por mais de 100 países
Rui Daniel Silva já visitou mais de 100 países. Para assinalar os países n° 99, 100 e 101 decidiu fazer a viagem de 10 dias em bicicleta entre Gana e Benim.

A luta de um povo para regressar a casa: Chagos, paraíso perdido

No coração do Índico, o arquipélago de Chagos deve o nome aos navegadores portugueses, em referência às chagas de Cristo. Esta é a história escondida do povo chagossiano, expulso das suas ilhas de areia branca para que os EUA aí construíssem uma das suas mais obscuras bases militares.
O veleiro que trasportou o piano

Grande reportagem: O capitão-pianista dos mares

O veleiro que trasportou o piano
Hermann Paris podia viver confortavelmente do seu talento na cidade que lhe emprestou o nome. Pintor e pianista, escolheu no entanto a aventura. Um dia compra um velho veleiro, embarca o seu piano e parte para uma viagem que deveria durar apenas uns meses. O objectivo? Reencontrar a filha na ilha da Reunião. Três anos e incontáveis histórias depois, ei-lo enfim de chegada. Mas das praias de Cabo Verde às cidades sul-africanas, do alto mar aos cais dos portos, das ruas dos vagabundos às mansões dos milionários, ressoam ainda os acordes do seu piano – e as saudades deste capitão tão particular.

Reportagem: Estátuas de Bartolomeu Dias e Vasco da Gama em risco de serem demolidas na África do Sul

A euforia de milhares de estudantes perante a remoção da estátua do colonizador Cecil Rhodes foi o culminar dos protestos contra o racismo institucional, mas para o movimento “Rhodes must fall”, este é só o início. Duas décadas após o fim do ’apartheid’ na África do Sul, ainda estão por sarar as feridas abertas por séculos de colonialismo. As estátuas de Bartolomeu Dias e Vasco da Gama também podem vir a ser demolidas.

Na rota de Magalhães - uma reportagem de Francisco Pedro

REPORTAGEM DE FRANCISCO PEDRO - Há 15 anos, nas montanhas da República Checa, país sem acesso ao mar, um homem fascinado por Fernão de Magalhães construiu pelas próprias mãos, com a ajuda de centenas de amigos, um enorme barco em madeira. O Victoria tomou o nome e a forma do navio que, há cinco séculos, cumpriu a primeira circum-navegação do planeta. E também ele deu a volta ao mundo seguindo a rota de Magalhães. Hoje parado nas Caraíbas, tornou-se ponto de encontro de jovens aventureiros, que o habitam e reparam, e que sonham com novas viagens.

Luxembourg Air Rescue foi a Cabo Verde repatriar doente luxemburguesa

A tripulação do jacto privado da Luxembourg Air Rescue já estava preparada para levantar voo à hora marcada. Eram 11h45 no aeroporto de Findel. Destino: cidade da Praia, Cabo Verde. Missão: repatriar uma luxemburguesa de 82 anos que acabara de ter um acidente em Cabo Verde, durante um cruzeiro pelo Atlântico. O CONTACTO acompanhou a viagem e conta-lhe em exclusivo a história de um repatriamento – ou talvez dois.
Há sempre quem anda à boleia

Nómadas 2.0: À boleia pelo mundo

Há sempre quem anda à boleia
Fazem da vida viagem, da viagem vida. Correm o mundo quase sem dinheiro. Destroem o mito de que viajar à boleia era coisa de antigamente. E servem-se das melhores possibilidades da web 2.0. Eis uma nova tribo nómada, a desertar do mundo do consumo e do trabalho – e a redefinir o verbo viajar, em busca da liberdade.

Permacultura: a arte de desenhar formas de viver mais sustentáveis

Responder aos grandes problemas económicos e ambientais com soluções práticas e locais. Recusar a sociedade consumista e redesenhar o local onde vivemos e a forma como vivemos. As ideias da permacultura e da transição têm corrido o mundo e chegaram ao Grão-ducado: este mês, o Luxemburgo acolhe pela primeira vez um "Curso de Design de Permacultura".

Dar e receber não custa nada

Há pouco mais de um ano, foi criado um novo grupo no Facebook. E seria apenas mais um grupo no Facebook – não fosse o facto de lidar com a nossa vida diária, ter uma actividade frenética e cada vez maior número de membros. "Free your stuff Luxembourg" permite às pessoas trocar coisas de forma gratuita. Tão simples, e tão necessário. Em vésperas do "mercado grátis" que será o primeiro encontro desta comunidade original, o Contacto conta-lhe tudo sobre este grupo. "
Duas centenas de pessas cultivam e habitam a Zona a Defender (ZAD) em cabanas, casas nas árvores ou atrelados, para travar a destruição destes campos e florestas Foto: Joelle Ronnet-Nicolle

Semeando a resistência: Ocupações de terras regressam à Europa

Duas centenas de pessas cultivam e habitam a Zona a Defender (ZAD) em cabanas, casas nas árvores ou atrelados, para travar a destruição destes campos e florestas Foto: Joelle Ronnet-Nicolle
40 anos depois do início da reforma agrária em Portugal, 30 anos depois do surgimento dos sem-terra no Brasil, o grito volta a soar Europa fora: “A terra a quem a trabalha!”. À margem dos media e das instituições, uma vaga de ocupações de terras tem varrido o continente. Reclamam o direito à terra e o controlo sobre a produção alimentar, batem-se contra a agro-indústria e os mega-projectos económicos, semeando o sonho de um mundo para lá do capitalismo.
Associadas às tradições ancestrais do Solstício de Inverno na região transmontana, várias figuras estão a ser recuperadas com o apoio das populações e autarquias

Trás-os-Montes: Tradições ancestrais do Solstício de Inverno ganham nova vida

Associadas às tradições ancestrais do Solstício de Inverno na região transmontana, várias figuras estão a ser recuperadas com o apoio das populações e autarquias
Algumas figuras associadas às "tradições ancestrais" do Solstício de Inverno na região transmontana, que tinham caído no esquecimento há um século, estão a ser recuperadas por investigadores da área, apoiados pelas populações e pelas autarquias.
Graffiti a favor do decrescimento na Praça da Bastilha em Paris, num protesto em 2006

Conferência internacional: Um mundo para lá do crescimento económico

Graffiti a favor do decrescimento na Praça da Bastilha em Paris, num protesto em 2006
Centenas de pessoas vão juntar-se na Alemanha com o objectivo de pôr fim ao dogma do crescimento económico. Propõem o “decrescimento” como solução para a catástrofe ambiental e as desigualdade sociais. Uma redução voluntária da produção e do consumo para maximizar a felicidade e o bem-estar.

Estrangeiros regressam às raízes no interior de Portugal

Durante décadas, o interior de Portugal viu milhares dos seus habitantes partir para a cidade e para outros países. Hoje, está a tornar-se referência para gente de toda a Europa que procura uma vida ligada à natureza. Inspiradas pelas ideias da permacultura, há cada vez mais pessoas a instalar-se, a regressar às raízes – e a começar por si próprias a mudança que querem ver no mundo.

Fazem-se ouvir as vozes contra a nova "prisão para imigrantes"

Enquanto por toda a Europa se assinalava o Dia Mundial do Refugiado, no Luxemburgo subiram de tom os protestos contra o novo "Centro de Retenção para Estrangeiros". Pessoas que vieram ao Luxemburgo procurar uma vida melhor vão ser ali detidas sem terem cometido qualquer crime.

Por uma Primavera de lutas

" Faremos de Maio um mês onde as ideias saem à rua. A Primavera de novas ideias para um futuro diferente.” A rede "Primavera Global" dá o mote para o mês que aí vem: em Portugal como no resto do globo, o povo prepara-se para "vir para a rua gritar".

À boleia do vento

Recusam o avião, partem sem pressa. Todos os anos, centenas de jovens de mochila às costas surgem pelas marinas de Lagos ou de Cascais, de Gibraltar ou da Bretanha, das Canárias ou de Cabo Verde. Procuram uma boleia – uma boleia a bordo de um veleiro, que os leve ao outro lado do oceano. Retrato desta nova tribo nómada, a povoar um meio que há décadas junta elites endinheiradas e loucos aventureiros.

Manifestação pacífica à porta do Centro de Detenção para Estrangeiros

"Faites de la musique, pas des centres fermés!" ("Façam música, e não centros de detenção!"). O lema juntou uma dezena de concertos e uma centena de pessoas à porta do centro de detenção de Findel, no passado sábado. Música para quebrar o silêncio em torno do encarceramento de estrangeiros no Luxemburgo.

Ocupação de imóvel em Strassen: Um dia no telhado pelo direito à habitação

Um jovem num telhado. Ruas cortadas, carros da polícia e bombeiros, concentração de solidariedade. Na passada segunda feira, um imóvel de Strassen foi despejado com enorme aparato. Nos dias que antecederam o despejo, o CONTACTO seguiu a história da ocupação desta casa – e dos jovens que ousaram quebrar a lei para transformar um lugar abandonado num espaço colectivo.

No meio da "revolução das batatas fritas"

Na passada quinta-feira, os estudantes belgas fizeram a "révolution des frites", para assinalar o recorde do país com mais dias sem governo, criticar a classe política e mostrar solidariedade entre francófonos e flamengos.

E depois de Fukushima?

A tragédia aconteceu no Japão mas todo o mundo, uma vez mais, ficou chocado com o perigo da energia nuclear. Classificada com o nível mais elevado, a catástrofe de Fukushima está ao nível da de Chernóbil. Entretanto por cá, na Europa, 14 países continuam a utilizar energia nuclear, estão 143 reactores em actividade, e há 23 novos em construção.

Activistas contra "holocausto" dos animais

A cada segundo que passa, cerca de 1.700 animais são mortos para a nossa alimentação, a maior parte em grandes matadouros na Europa e Estados Unidos. Um verdadeiro "holocausto", defendem os activistas.

Governo belga põe fim ao sonho de uma escola diferente

Alunos e professores estão em igualdade, decidem em conjunto as matérias a estudar e em conjunto limpam casas de banho e constroem novos edifícios da escola. Este projecto existia em Limerlé, a três quilómetros da fronteira com o Luxemburgo, mas acaba de ser fechado pelo Ministério da Educação belga. O CONTACTO foi conhecê-lo nos seus últimos dias de funcionamento – e entrou noutro mundo.

De ignorado a herói: o imigrante na literatura luxemburguesa

"A imagem dos imigrantes na literatura luxemburguesa” foi o tema que juntou 30 pessoas à volta da mesma mesa para um almoço-debate, no dia 16, na Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes (ASTI).

O luxo de viver do lixo

Já imaginou trocar uma ida às compras por uma ida aos contentores do lixo? Saiba que há cada vez mais pessoas que decidem fazê-lo. Não concordam com a sociedade consumista - e deixam de participar nela. Viver do desperdício dos outros torna-se uma opção de vida. O CONTACTO foi conhecer alguns praticantes do "freeganismo" no Luxemburgo, incluindo um português que nasceu no Grão-Ducado.

Portugueses apreensivos com vitória de herdeiro de Chávez

A Venezuela pós-Chávez vive dias de protestos e incerteza. A comunidade portuguesa vive no medo da insegurança, apoiando a oposição e a sua promessa de mudança. O "filho de Chávez" foi eleito presidente. A decepção de meio milhão de portugueses contrasta com a euforia nas zonas mais pobres do país.