Escolha as suas informações

Grandos bancos investiram 3,4 triliões de euros em combustíveis fósseis desde os Acordos de Paris
Mundo 5 min. 26.10.2021
Ambiente

Grandos bancos investiram 3,4 triliões de euros em combustíveis fósseis desde os Acordos de Paris

Ambiente

Grandos bancos investiram 3,4 triliões de euros em combustíveis fósseis desde os Acordos de Paris

Foto: AFP
Mundo 5 min. 26.10.2021
Ambiente

Grandos bancos investiram 3,4 triliões de euros em combustíveis fósseis desde os Acordos de Paris

Bloomberg
Bloomberg
Enquanto o mundo se prepara para a cimeira mundial sobre o clima, os dados mostram que os bancos continuam fortemente ligados aos setores do petróleo, carvão e gás natural.

Enquanto os executivos da JPMorgan Chase & Co, Citigroup, Deutsche Bank AG e outros credores se preparam para a cimeira mais importante das Nações Unidas sobre o clima dos últimos seis anos, as empresas que gerem continuam a ajudar a fornecer quase tanto dinheiro para combustíveis fósseis como para projetos verdes. 

Os cientistas deixaram claro que o tempo está a esgotar-se para evitar uma catástrofe climática. Contudo, só este ano, os bancos "emitiram 393,7 mil milhões de euros de obrigações e empréstimos para os setores do petróleo, gás e carvão", de acordo com dados compilados pela Bloomberg. 

Desde o Acordo de Paris no final de 2015, os bancos têm desempenhado um papel proeminente ao permitir o aquecimento que está por detrás de tempestades, incêndios e inundações cada vez mais mortíferas, considera a Bloomberg.

Desde 2015 e até agora, os bancos geraram mais de 14,5 mil milhões de euros de taxas ao facilitar quase 3,4 triliões de euros de financiamento de combustíveis fósseis. O dinheiro ajudou,assim, a alimentar as emissões de carbono que, ao ritmo atual, significam que as temperaturas subirão muito acima dos 1,5 graus Celsius identificados como críticos para evitar danos irreversíveis no Planeta.


Planos para produção de combustíveis fósseis "excedem largamente" os limites climáticos
Apesar das crescentes promessas de acção de muitas nações, os governos ainda não fizeram planos para reduzir a produção de combustíveis fósseis, apontou o relatório das Nações Unidas.

Enquanto os líderes globais se preparam agora para se reunir em Glasgow, na Escócia, para a COP26, um coro crescente de investidores e ativistas exige que as instituições financeiras deixem de financiar os poluidores - antes que seja demasiado tarde. 

"O que os bancos precisam de fazer é extremamente claro", disse Miguel Nogales, gestor de fundos.  "Nenhum financiamento para novas centrais de carvão, nenhum financiamento para novos campos petrolíferos". 

As conversações do próximo mês em Glasgow foram apelidadas de COP de financiamento, o que significa que o foco será na medida em que a indústria bancária está a fazer o possível para ajudar o Planeta.

Recentemente os bancos e gestores de ativos têm-se desdobrado em declarações climáticas, assegurando aos interessados que estão empenhados em eliminar as emissões líquidas das suas carteiras de empréstimos e investimentos - ou alcançar o zero líquido - até meados do século. 

Palavras que não correspondem a ações

Na superfície, os bancos estão a reconhecer a questão. Mas, na realidade, ainda não o demonstraram como o fazer na prática. Os maiores credores do mundo, incluindo o JPMorgan, Citigroup, Deutsche Bank e Bank of America Corp, fazem parte da Glasgow Financial Alliance for Net Zero. 

Na semana passada, o CEO do Goldman Sachs Group Inc, David Solomon, disse que a sua empresa não vai deixar de trabalhar com empresas de combustíveis fósseis de um dia para o outro, sublinhando a necessidade de uma transição equilibrada para uma energia verde que evite preços de energia mais elevados. 

Segundo o Projeto Sunrise, um projeto ambiental sem fins lucrativos na Austrália, para que os bancos sejam levados a sério nos compromissos líquidos de emissões zero de carbono, terão de fechar a torneira a empresas e projetos de expansão de infraestruturas de combustíveis fósseis e energia não-verde. 

Segundo o projeto, todos os financiamentos e subscrições de empresas de carvão dos países desenvolvidos deveriam ser gradualmente eliminados até 2030 "o mais tardar". Para os países não-OCDE, o prazo deveria ser 2040, afirmou o grupo numa carta enviada por email.


Pandemia foi benéfica para a qualidade do ar no Luxemburgo
Entre janeiro e dezembro de 2020 não foi registado nenhum excedente do valor limite de poluição atmosférica e observou-se uma diminuição dos valores de dióxido de azoto em comparação com os anos anteriores.

Por outro lado, investir em energia limpa não alivia os efeitos dos empréstimos aos piores poluidores do mundo, afirmou o grupo. 

O JPMorgan, o maior banco americano, é o maior financiador da indústria dos combustíveis fósseis. A empresa sediada em Nova Iorque obteve cerca de 845 milhões de euros em receitas desde o final de 2015, organizando dívidas e empréstimos para as indústrias do petróleo, gás e carvão. Valores muito acima dos 266 milhões de euros em receitas provenientes do financiamento verde. 

Ao ritmo atual das emissões de gases com efeito de estufa, as Nações Unidas advertem que a temperatura média global está fixada em 2,7 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais até ao final deste século. A esse nível de aquecimento, populações inteiras serão deslocadas pela subida do nível do mar, um grande número de espécies enfrentará a extinção, e incêndios e inundações selvagens mortíferas tornar-se-ão muito mais frequentes. 

A Agência Internacional de Energia afirmou este mês que o mundo está terrivelmente atrasado na concretização dos necessários cortes de emissões. No JPMorgan, os executivos dizem estar conscientes da urgência do momento. "A mudança climática é uma questão crítica do nosso tempo, e estamos empenhados em fazer a nossa parte para a abordar", disse Marisa Buchanan, chefe global de sustentabilidade da empresa. 

Não há tempo a perder 

Uma importante parte do acordo climático de Paris de 2015 era envolver a indústria financeira, refletindo a necessidade de desviar o dinheiro das atividades que poluem. A última onda de compromissos líquidos zero por parte dos bancos e gestores de ativos surge na sequência desse acordo. Mas os pormenores sobre como planeiam alcançar a neutralidade de carbono daqui a 30 anos continuam a faltar.

Miguel Nogales, gestor de fundos, considera que parte do problema é que a maioria dos objetivos zero emissões estão demasiado longe no futuro. "O problema com os objetivos a muito longo prazo é que normalmente será um conjunto diferente de executivos a gerir esses negócios nessa altura". 

Mas a última avaliação do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas da ONU "foi extremamente clara. Estamos perante uma emergência maciça". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas