Escolha as suas informações

Gotabaya Rajapaksa reinvindica vitória nas presidenciais do Sri Lanka
Mundo 17.11.2019

Gotabaya Rajapaksa reinvindica vitória nas presidenciais do Sri Lanka

Gotabaya Rajapaksa reinvindica vitória nas presidenciais do Sri Lanka

Foto: AFP
Mundo 17.11.2019

Gotabaya Rajapaksa reinvindica vitória nas presidenciais do Sri Lanka

Clã Rajapaksa regressa ao poder com 53% dos votos.

Gotabaya Rajapaksa reivindicou este domingo a vitória nas eleições presidenciais de sábado, um resultado que reforça o objetivo do clã Rajapaksa em regressar ao poder no país.

"Tivemos entre 53 e 54% dos votos", disse o porta-voz Keheliya Rambukwella à agência de notícias France-Presse. Os primeiros resultados oficiais mostraram já que o ex-soldado de 70 anos caminhava para assegurar maioria dos votos.

"Esta é uma vitória clara (...) e estamos muito felizes que Gota seja nosso próximo presidente", acrescentou o seu porta-voz, adiantando que o candidato deve prestar juramento na segunda ou terça-feira.

Dos quase três milhões de votos atualmente em contagem, o irmão do ex-Presidente Mahinda Rajapaksa (2005-2015) conquistou 48,2% dos votos.

Os observadores esperam os resultados das áreas cingalesas, a maioria étnica do país que forma a base eleitoral do Rajapaksa, o coloquem acima da marca de 50%.

O rival Sajith Premadasa, candidato do partido no poder, ficou atrás com 45,3% dos votos, de acordo com os resultados provisórios.

Gotabaya Rajapaksa, que assumiu o comando do Secretariado de Defesa durante o mandato presidencial do irmão mais velho, liderou uma campanha nacionalista e orientada para a segurança numa nação ainda devastada pelos ataques terroristas da Páscoa que causaram 269 mortos.

O clã Rajapaksa liderou a ilha do sul da Ásia com um punho de ferro durante a década em que Mahinda foi Presidente.

Os dois irmãos representam uma família que é vista por uma parte da população como os heróis que conseguiram terminar a guerra civil de quase três décadas, mas para outra parte, eles são o símbolo da brutalidade de um conflito que fez milhares de mortos e desaparecidos entre a minoria tâmil.

Lusa 


Notícias relacionadas