Escolha as suas informações

Gaza. Mais um domingo sangrento com crianças mortas
Mundo 14 3 min. 16.05.2021

Gaza. Mais um domingo sangrento com crianças mortas

Gaza. Mais um domingo sangrento com crianças mortas

AFP
Mundo 14 3 min. 16.05.2021

Gaza. Mais um domingo sangrento com crianças mortas

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O conflito israelo-palestino está longe do fim. Em Gaza os bombardeamentos de hoje mataram mais 40 pessoas, das quais oito crianças. "Uma crise descontrolada humanitária", alerta Guterres.

Pelo menos 40 palestinianos foram mortos domingo nos ataques aéreos israelitas na Faixa de Gaza, informaram as autoridades locais, elevando para 188 o número de pessoas que morreram no enclave palestiniano desde segunda-feira. Segundo o último relatório do Ministério da Saúde em Gaza, 55 crianças estavam entre os mortos. 

 Pelo menos oito crianças morreram nos bombardeamentos de domingo só num bairro da cidade de Gaza, matando pelo menos 40 pessoas no total, a maior portagem diária desde segunda-feira. Pelos bairros atingidos pais procuram os filhos nos escombros e as imagens de dor de um deles com um bebé sem vida nos braços está a emocionar o mundo. Outro carrega uma criança ferida mas sobrevivente.

Segundo a mesma fonte, 1.230 palestinianos foram feridos desde o início desta nova ronda de violência entre o exército israelita e grupos palestinianos armados em Gaza, incluindo o Hamas, que está no poder no enclave bloqueado de dois milhões de habitantes. 

 Nas últimas 24 horas, o exército israelita visou 90 posições em Gaza do Hamas e da Jihad Islâmica, o segundo maior grupo armado do enclave, disse, depois de terem chovido foguetes no seu solo. O exército israelita também destruiu vários edifícios de 10 andares, incluindo um gabinete de imprensa internacional, alegando que eram utilizados pelo Hamas. 

 O Estado judeu enfrenta a maior taxa de disparos de foguetes jamais disparados contra o seu território, de acordo com o exército. Desde 10 de Maio, grupos armados em Gaza dispararam cerca de 3.000 foguetes contra Israel, mas muitos deles foram intercetados pelo sistema antiaéreo. 

 Em Israel, 10 pessoas, incluindo uma criança e um soldado, morreram em resultado do fogo de foguetes de Gaza, e 282 ficaram feridas. O novo conflito começou em resposta a uma barragem de foguetes do Hamas disparados contra Israel em "solidariedade" com manifestantes palestinianos e centenas de palestinianos feridos em confrontos com a polícia israelita em Jerusalém Oriental. 


Família de 10 pessoas, das quais 8 crianças, morta em ataque a Gaza
Duas mães e oito primos crianças encontravam-se numa casa num campo de refugiados que foi atingida por bombas israelitas. Um bebé sobreviveu e está hospitalizado. Os dois pais sobreviveram porque tinham saído.

Nas agências noticiosas internacionais multiplicam-se as imagens de destruição de Gaza, dos escombros e de palestinianos com crianças ao colo, umas feridas e outras mortas. Famílias em choro por perda dos seus, cadáveres a serem levados ou colocados lado a lado com uma multidão em redor. 

Do lado de Israel, as imagens são também de prédios e ruas destruídas pelos roquetes do Hamas, de pessoas a fugir das praias, de polícias com áreas cortadas.

Crise descontrolada

O conflito israelo-palestiniano pode transformar-se numa crise “descontrolada” humanitária e de segurança, com consequências extremas em toda a região do Médio Oriente, alertou hoje o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), descrevendo um cenário “chocante”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, descreveu, numa reunião virtual de urgência do Conselho de Segurança da ONU dedicada ao Médio Oriente, uma “carnificina” e hostilidades “terríveis”, considerando que a violência “empurra para mais longe o horizonte de qualquer esperança de coexistência e paz”.


Luxemburgo. Centenas de pessoas em manifestação contra ataques de Israel a Gaza
Protesto realizou-se esta quinta-feira numa altura em que o conflito, na região, voltou a escalar com Israel a fazer novo bombardeamento sobre Gaza.

 A violência foi desencadeada pela ameaça de despejo de famílias palestinianas por colonos israelitas nesta área palestiniana ocupada por Israel durante mais de 50 anos. As hostilidades alastraram ao território israelita, onde houve confrontos entre judeus e árabes em cidades mistas, e à Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel desde 1967, onde os confrontos com o exército israelita deixaram 19 palestinianos mortos desde 10 de Maio, de acordo com relatórios palestinianos.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas