Escolha as suas informações

França tem quase 32 mil pessoas hospitalizadas devido ao coronavírus
Mundo 11.11.2020 Do nosso arquivo online

França tem quase 32 mil pessoas hospitalizadas devido ao coronavírus

França tem quase 32 mil pessoas hospitalizadas devido ao coronavírus

Foto: AFP
Mundo 11.11.2020 Do nosso arquivo online

França tem quase 32 mil pessoas hospitalizadas devido ao coronavírus

Lusa
Lusa
O número de hospitalizações aproxima-se do pico de internamentos do mês de abril. Esta quinta-feira, o primeiro-ministro, Jean Castex, fala ao país.

França tem atualmente 31.918 pessoas hospitalizadas devido à covid-19 e 4.789 desses pacientes estão internados nos cuidados intensivos, anunciaram hoje as autoridades francesas.

O número de hospitalizações aproxima-se assim no país do pico de internamentos do mês de abril que foi de 32.131 pacientes. Apenas nas últimas 24 horas foram admitidas nos hospitais franceses 2.588 pessoas e houve 351 novas entradas nos cuidados intensivos.

Só na região parisiense há 6.565 pessoas internadas e 1.119 estão em unidades de cuidados intensivos.

Ainda nas últimas 24 horas, morreram 329 pessoas devido ao vírus, elevando assim o número de vítimas mortais no país para 42.435.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Jean Castex, vai falar ao país e os meios de comunicação franceses hesitam entre a possibilidade de um endurecimento das medidas de confinamento em vigor em França ou a reabertura de alguns comércios de forma a tentar proteger as economias locais.

Foram assinalados 35.879 novos casos de covid-19 desde terça-feira, tendo já sido registados 1.865.538 casos no país desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.275.113 mortos em mais de 51,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Academia de Medicina francesa indicou esta sexta-feira que as máscaras artesanais não têm eficácia comprovada, reforçando assim um apelo feito pelo ministro da Saúde, Olivier Véran, para se dar preferência às máscaras cirúrgicas.