Escolha as suas informações

França quer banir voos domésticos onde houver comboios rápidos
Mundo 3 min. 13.04.2021

França quer banir voos domésticos onde houver comboios rápidos

França quer banir voos domésticos onde houver comboios rápidos

Foto: AFP
Mundo 3 min. 13.04.2021

França quer banir voos domésticos onde houver comboios rápidos

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Ligações entre Paris- Nantes e Paris-Bordéus estão entre as afetadas, mas há mais que se podem juntar. Decisão foi aprovada no parlamento mas contou com a oposição de diferentes partidos.

O parlamento francês aprovou o fim de voos domésticos em rotas que podem ser percorridas por comboios diretos e rápidos, que façam o percurso em menos de duas horas e meia.

A decisão inédita inclui-se numa série de medidas de combate às alterações climáticas e ambientais e tem o apoio do Presidente Emmanuel Macron, que inicialmente tinha recomendado que a suspensão fosse aplicada sempre que a alternativa de viagem em comboio direto durasse menos de quatro horas e não duas horas e meia. 


Paris. Há até 30 mil empregos em risco no aeroporto Charles de Gaulle
Os trabalhadores subcontratados estão em grande maioria. Juntam-se os da Air France e do operador aeroportuário ADP.

Esta redução foi determinada depois da oposição à medida, em algumas regiões, por parte de várias companhias aéreas como a Air France-KLM, que veem assim ser dada mais uma machadada no setor, num período em que a aviação continua a ser fortemente afetada pelas restrições nas viagens aéreas provocadas pelo combate à pandemia da covid-19.

Que ligações aéreas vão acabar?

Ainda não são conhecidos todos os detalhes das ligações aéreas afetadas e as rotas exatas que serão interrompidas serão publicados no decreto oficial. Mas já se sabe o destino de algumas. 

Segundo o jornal The Guardian, a medida implicará, por exemplo, o fim dos curtos voos internos do aeroporto de Orly, a sul de Paris, para Nantes e Bordéus, embora se mantenham os voos de ligação através do aeroporto Charles de Gaulle/Roissy. Neste caso, adianta a rádio Europe 1, trata-se sobretudo de garantir que são assegurados os voos de ligação.

 Mantêm-se também os voos entre Paris e Nice, cuja duração da viagem de comboio é cerca de seis horas, e entre Paris e Toulouse, que no transporte ferroviário demora quatro horas.

As rotas Paris-Rennes ou Lyon-Marselha são outras das que poderão ser anuladas, acrescenta a rádio Europe 1.

De acordo com a estação, a votação que aprovou a decisão de pôr fim a alguns voos domésticos confirma o que que já tinha sido negociado entre a Air France e o governo, quando o Estado condicionou a sua financeira à companhia, à supressão destes voos domésticos. 

Medida não é politicamente consensual

Apesar de ter sido aprovada pela maioria dos deputados, a decisão de suprimir voos domésticos não contou com o apoio de todos os partidos, nomeadamente dos da oposição.

Da parte dos socialistas soaram os alertas em relação ao elevado número de postos de trabalho no setor aéreo que se perdem devido à aprovação da medida. Mas deputados dos Verdes também criticaram a medida considerando que resulta do enfraquecimento da recomendação da convenção sobre o clima.

Os primeiros comboios a hidrogénio

O país fez entretanto a primeira encomenda de comboios híbridos elétricos e a hidrogénio.


Fokus, Luxembourg, Esch, Stadt Esch, Sicherheitsbeilage, Bahnhof, gare,  photo Anouk Antony
Moselle quer um comboio Sarre-Moselle-Luxemburgo, Bausch prefere o Superbus
França e Alemanha querem criar uma linha ferroviária direta da Alemanha ao Grão-Ducado, passando por França, explica ao Contacto o presidente de Moselle. Para o Luxemburgo a prioridade é o 'Superbus' que ligará Esch a Audun-le Tiche.

Grand Est, Auvergne-Rhône-Alpes, Bourgogne-Franche-Comté e Occitanie foram as quatro regiões que encomendaram os primeiros 12 comboios elétricos e a hidrogénio, de modo duplo (com duas composições opcionais), da gama Coradia Polyvalent da Alstom, no valor de cerca de 190 milhões de euros, detalha o site Railway, especializado em transporte ferroviário.

A compra, acrescenta a mesma publicação, insere-se na campanha PlaneTER que tem como objetivo reduzir as emissões de carbono e, consequentemente, o impacto ambiental dos comboios expresso regionais TER. 

O projeto pode vir a ser alargado a mais regiões francesas, que entretanto já manifestaram interesse em participar numa fase posterior.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas