Escolha as suas informações

França/Presidenciais: Macron ganha debate a Le Pen, segundo sondagem
Mundo 2 min. 04.05.2017 Do nosso arquivo online

França/Presidenciais: Macron ganha debate a Le Pen, segundo sondagem

França/Presidenciais: Macron ganha debate a Le Pen, segundo sondagem

Foto: France Télévision/TF1
Mundo 2 min. 04.05.2017 Do nosso arquivo online

França/Presidenciais: Macron ganha debate a Le Pen, segundo sondagem

O centrista pró-europeu Emmanuel Macron foi considerado "mais convincente" do que a rival de extrema-direita, Marine Le Pen, no debate televisivo de quarta-feira à noite, a três dias da segunda volta das presidenciais francesas, indicou uma sondagem.

O centrista pró-europeu Emmanuel Macron foi considerado "mais convincente" do que a rival de extrema-direita, Marine Le Pen, no debate televisivo de quarta-feira à noite, a três dias da segunda volta das presidenciais francesas, indicou uma sondagem.

Um total de 63% dos entrevistados por telefone, no final do debate, considerou Macron "mais convincente", contra 34% que se pronunciou a favor de Marine Le Pen, de acordo com o estudo difundido pela televisão francesa BFMTV.

Emanuel Macron foi o preferido de 95% dos eleitores votaram na primeira volta, a 23 de abril, votaram no candidato centrista. Marine Le Pen teve o apoio de 85% dos seus eleitores.

Macron foi também considerado melhor por 58% dos que votaram na primeira volta no conservador François Fillon, terceiro classificado, e por 66% dos que votaram no candidato da esquerda Jean-Luc Mélenchon, quarto na votação.

Ataques violentos marcam debate 

Violentos ataques marcaram este último debate televisivo entre os dois candidatos à segunda volta das eleições presidenciais francesas.

“O senhor Macron é o candidato da globalização selvagem, da ‘uberização’, da precariedade, da brutalidade social, da guerra de todos contra todos, da pilhagem económica dos nossos grandes grupos, do desmembramento da França pelos grandes interesses económicos, do comunitarismo”, acusou Le Pen.

Macron respondeu-lhe à letra, dizendo: “A sua estratégia é dizer muitas mentiras”.

“A senhora é herdeira de um sistema que prospera com a ira dos franceses há décadas”, frisou o candidato do movimento “Em marcha”, no debate seguido por milhões de telespetadores.

São quatro os grandes temas em discussão ao longo de pouco mais de duas horas, num formato em que dois jornalistas colocam as questões: economia, terrorismo, educação e Europa.

Após dez dias de uma campanha agressiva entre as duas voltas das presidenciais, Emmanuel Macron, que obteve o melhor resultado na primeira volta, é ainda apontado pelas sondagens como o vencedor a 07 de maio, com cerca de 60% das intenções de voto, mas a margem de avanço em relação a Le Pen está a diminuir.

Num escrutínio muito atentamente observado internacionalmente, os dois candidatos devem convencer os muitos eleitores indecisos a dar-lhes o seu apoio, enquanto se prevê que a taxa de abstenção possa ultrapassar os 22% no próximo domingo.

Os seus programas eleitorais estão nos antípodas: Emmanuel Macron é liberal e pró-europeu, Marine Le Pen é anti-imigração, anti-Europa e antissistema.

O primeiro agrada sobretudo aos jovens urbanos, à classe média e ao meio empresarial; a segunda seduz as classes populares, a população rural e uma fatia do eleitorado francês vítima de desemprego endémico.

“Não são apenas duas personalidades, dois projetos, mas duas conceções da França, da Europa e do mundo” que estão em confronto, comentou o Presidente francês cessante, François Hollande.

Um ritual da vida política francesa desde 1974, o debate televisivo entre duas voltas eleitorais constitui tradicionalmente um momento forte e por vezes decisivo das campanhas presidenciais.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ativista política portuguesa: “Macron abre caminho a Le Pen”
Não acredita no voto útil nem na teoria do mal menor. Acha que são lógicas que pervertem a democracia e impedem que se crie novas alternativas que eliminem fronteiras e desigualdades. Paula Gil é ativista política e estudou a Frente Nacional francesa e o Podemos espanhol.
 A ativista Paula Gil, durante as comemorações do 1° de Maio, em Lisboa.
EDITORIAL: A forca ou a guilhotina?
Os franceses vão ter que escolher para chefe de Estado, no domingo, entre um ultraliberal, amigo da alta finança, e uma xenófoba fascista. O resultado pode e vai afetar-nos a todos, dentro e fora da UE.
Marine Le Pen et Emmanuel Macron